Montesinho foi palco de música erudita ao longo de dois dias

Ter, 08/09/2020 - 12:25


“Música na Paisagem” é um projecto que leva músicos a tocar em espaço rural

Ao som de composições de Schubert, Schumann, Stravinsky e Ravel a “Música na Paisagem” voltou, pelo segundo ano consecutivo, à aldeia de Montesinho, no concelho de Bragança. O projecto, organizado e produzido pela autarquia brigantina e pelo Teatro Municipal de Bragança, além de música, contou, nesta edição, com declamação de poemas e com a interpretação da peça “A História do Soldado”. João Cristiano Cunha, director do teatro, considerou em Montesinho que, daqui para a frente, o cruzamento entre diferentes artes “é uma ideia que está no ar”, projectando um festival de “maior envergadura”, que pode até mesmo ser “descentralizado”, levando-o a mais aldeias do concelho e do distrito. A “Música na Paisagem” teve inicio com uma residência artística, durante uma semana, contando com músicos que por ali estiveram a conviver com a população local. O culminar do projecto aconteceu durante o fim-de-semana, destacando-se, no sábado, o espectáculo no Jardim da Lagosta Perdida e as interpretações, no domingo, pela aldeia e na igreja local. Residentes e visitantes puderam entrar em contacto com a natureza de outra forma, observando a aldeia com música levada por sete artistas, nacionais e internacionais. "Eu sinto que se viveu uma dinâmica diferente, não só pelo número de pessoas como pela música que se ouviu e pelas relações entre as pessoas que visitam a aldeia e as que cá vivem", destacou Matilde Loureiro, da direcção artística. A iniciativa marcou a reabertura do teatro de Bragança, que esteve fechado por força da pandemia. Uma forma de “começar de fora para dentro”, conforme frisou o presidente da câmara de Bragança, Hernâni Dias. Uma ideia que João Cristiano Cunha assina por baixo, já que explicou que “a ideia é convidar no exterior as pessoas para voltarem ao interior”, aos espectáculos, tendo em conta as condições de segurança.

Jornalista: 
Carina Alves