Deixem as crianças ser crianças, as mulheres ser mães e os homens ser pais!

Não é produto de fábrica nem vem de Paris no bico de uma cegonha. Muito menos é arranjo aleatório de cromossomas manipulável por passes mágicos, como pretende certa ciência esotérica. Nasce no ventre de uma mulher concreta, a mãe, mesmo quando se trata de barriga de aluguer e de inseminação artificial. A sua sobrevivência e crescimento depende daqueles que dela cuidam com insubstituível amor e carinho, ainda que possam não ser os seus procriadores. Por isso se diz que pertence aos pais, não sendo admissível que o Estado se intrometa na sua sagrada intimidade sem motivos para tanto. Só a partir do momento em que a criança deixa de o ser porque alcança a maioridade, o Estado e a Sociedade devem dar continuidade à sua formação e civilidade. Princípios que o Governo português está ostensivamente a subverter. De entre os factos que mais desacreditam o Regime vigente, que penaliza gravosamente as crianças e as famílias, destacam-se a corrupção, a ineficácia da Justiça e o facciosismo político. A estas gravíssimas deficiências regimentais o actual primeiro- -ministro acrescentou uma nova mais subtil: a prostituição do poder. Não se trata de constituir as maiorias parlamentares necessárias à viabilização de governos, que é uma das maiores virtudes da democracia, mas da traição oportunista do eleitorado e do abandono de princípios éticos e programáticos. O que está bem patente no plano maquiavélico de gravar, à sorrelfa, nas indefesas mentes infantis, embrulhados no enganador pacote da Educação para a Cidadania e Desenvolvimento (ECD), princípios e prácticas da diabólica Ideologia de Género, que não deve ser confundida como muitos maldosamente pretendem, com a Igualdade de Género que trata da dignificação plena da mulher, que já tarda. Há testemunhos documentados nas redes sociais de que a coberto desta disciplina se cometem verdadeiros crimes contra as crianças, que merecem ser investigados por quem de direito. Urge que o povo português tome consciência desta monstruosa conspiração que ofende gravosamente os fundamentos morais da Nação. Entretanto um grupo de afamadas celebridades dirigiu ao Presidente da República um tímido baixo assinado defendendo a objecção de consciência dos pais perante estas sinistras prácticas educativas. Em resposta um grupo de notáveis de outra cor e fama promoveu um mais agressivo manifesto defendendo o contrário, isto é, que a ECD não pode ser objecto de objeção de consciência. Fica-se com a ideia de não haver, nuns e noutros, lucidez suficiente, antes facciosismo a mais e moral a menos porquanto o verdadeiro problema não é a dita disciplina escolar, mesmo se contemplar uma sadia educação sexual, mas o facto de servir de cavalo de Tróia da diabólica Ideologia do Género que, entre outras ideias abjectas, defende a licitude da pedofilia e das relações incestuosas, designadamente entre pais e filhos. Uns e outros deviam, isso sim, pugnar para impedir que tão sinistros educadores possam tratar as crianças como lhes dá na maléfica gana. E porque não ouvir os portugueses em referendo sobre esta matéria, à semelhança da Eutanásia e do Aborto? Deixem as crianças ser crianças, as mulheres ser mães e os homens ser pais! Para que a paz e a tolerância reinem entre todos.

Henrique Pedro