PUB.

Política da mão-fechada, da mão-rota e da mão estendida

PUB.

A actual situação portuguesa é por demais deprimente. Tal não tem só a ver com a pandemia muito embora seja esta a razão principal. É deprimente porque os portugueses temem que Portugal esteja a caminhar para o abismo, com a democracia refém da dita esquerda, estrangulada pela mão-fechada do PS, manancial de nepotismo e corrupção, pelas mãos-rotas demagógicas do BE e do PCP, que acenam freneticamente a Cuba e à Venezuela, para não ir mais longe, e a mãozinha do PAN que esbraceja tentando não se afogar. Com a desdita direita, mais precisamente PSD e CDS, de mãos atadas, e os proscritos Chega e IL de dedos em riste a apontar não se sabe bem para onde. Não é de estranhar, por isso, que cada dia haja mais portugueses de mão estendida a pedir socorro e que um número muito significativo já não hesite em estender o braço direito. A situação é deprimente porque o Presidente da República se converteu num professor e comentador político arvorado em ministro de estado da propaganda, alienando o fundamental da sua missão. Presidente da República que é um engano porque o povo se enganou quando nele votou, como o próprio povo o testemunha nas redes sociais, de forma massiva, espontânea e livre. É deprimente porque o primeiro-ministro, que anda em campanha eleitoral permanente, mais uma vez dá mostras de não ser capaz de coordenar devidamente o Governo, como aconteceu nos trágicos incêndios florestais de 2017. É deprimente porque os cofres do Estado sangram abundantemente por força de sorvedouros como o Novo Banco e a TAP, outros virão, que os políticos não sabem ou não querem estancar, enquanto a Administração Pública cada vez mais se enreda nas teias da mais insidiosa corrupção. É deprimente porque a União Europeia se mostra perigosamente desunida e descoordenada perante ameaças fatais como a pandemia e o fundamentalismo islâmico, sendo este o problema fulcral da imigração. Imagine-se o que seria se um conflito militar generalizado eclodisse. É deprimente porque o que se conhece do Plano de Recuperação da Economia indicia que a hegemonia asfixiante de Lisboa & Monopólios prevalece e as potencialidades agropecuárias, hídricas, ecológicas e turísticas do Interior em geral e de Trás-os- -Montes em particular irão continuar deprimidas. Deprimente é o ambíguo distanciamento, dito social, que não deveria ser social nem colectivo, mas antes individual e pessoal, devendo as colectividades, as escolas e as empresas continuar operativas, produtivas e solidárias. As pessoas é que que devem ser protegidas individualmente, por quem de direito, e se devem proteger mutuamente. Com este sinistro distanciamento social mais os políticos se distanciam do povo, os trabalhadores das empresas, os alunos das escolas, os pobres dos ricos e as famílias dos seus membros. Talvez seja isso mesmo que pretendem os ideólogos do distanciamento social ainda que o não confessem. Deprimente, sobretudo, é perceber que os políticos continuam a tomar os portugueses por estúpidos e carneiros, por labregos que comem tudo que lhes põem no prato. Uma coisa é certa: Portugal apenas sobreviverá com verdade, democracia verdadeira, muito patriotismo e justiça exemplar. O que implica políticos patriotas, honestos e competentes.

Henrique Pedro