PUB.

Primeira longa metragem de Cristèle Alves Meira filmada em Trás-os-Montes

PUB.

Ter, 27/07/2021 - 15:48


Aldeia de Junqueira em Vimioso tornouse um autêntico ‘décor’ de cinema ao longo de três meses

“Alma Viva” é a primeira longa metragem da realizadora lusodescendente Cristèle Alves Meira. Com raízes em Junqueira, Vimioso, onde a mãe nasceu e viveu antes de emigrar para França, escolheu esta aldeia para voltar a ser o cenário do primeiro filme de longa duração, depois de a pequena localidade de cerca de 30 habitantes ter já recebido gravações nas curtas “Sol Branco” e “Campo de Víboras”. A escolha recaiu sobre este “lugar muito familiar” para Cristèle, onde sempre passava férias e regressa muitas vezes, para completar o processo de vários anos, iniciado com esses dois trabalhos anteriores. “Nestas duas curtas já estava a trabalhar temas e a ir ao encontro de um cinema que vamos voltar a encontrar na longa, que é mesmo o acabamento desse processo de contar histórias de Trás-os- -Montes em Trás-os-Montes”, conta a realizadora. Mas desta vez, não só foram ali feitas praticamente todas as gravações como o período de rodagem foi maior. Nos últimos três meses, Junqueira tornou-se um autêntico “décor de cinema, por todas as ruas”. Inicialmente estava previsto que as filmagens acontecessem também noutras aldeias, mas com a pandemia e as restrições “era mais fácil juntar todos numa só localização e até ficou muito mais prático e mais bonito assim”, admite a realizadora. “Alma Viva” conta a história de uma menina de 9 anos, filha de emigrantes em França, que regressa à aldeia para férias de Verão e é confrontada “com crenças do passado, com a morte da avó, que tem um dom, e com a solidariedade que se vai criar”, refere.

“É uma grande epopeia”

A história vai beber às memórias de Cristèle, desde os verões “cheios de alegria, sol, luz e festas”, mas também reflecte problemas “ligados ao ambiente social dos emigrantes” e “histórias mais trágicas” da aldeia, bem como lendas, crenças pagãs e o misticismo. Fui buscar “um bocadinho de tudo o que ouvi”, admite a cineasta, que diz ser “uma menina da aldeia”. “Por acaso sinto-me mesmo transmontana”, afirma. Por isso, uma das preocupações foi que não houvesse um tom caricatural, passando as escolhas de casting por habitantes locais. A maioria das “pessoas que escolhi para o filme, são mesmo dali”, que “compreendem as histórias que estão a ser contadas”, e que “têm essa forma de falar e esses rostos”. “Era muito importante para mim estar o mais perto dessa realidade porque eu sinto-me mesmo perto dela”, reforça. Manter a autenticidade sem ridicularizar ou cair no exagero cómico era fulcral. “Não sei se somos muitos os realizadores em Portugal hoje a poder contar o Interior de Portugal a partir do Interior. Muitas vezes são pessoas que vêm da cidade e têm uma ideia do que seria o Interior e fica muito caricatural”, refere. A vontade de contar com “sinceridade e autenticidade, o melhor e o pior”, foi uma das grandes preocupações. “Acho que é quase um filme etnográfico, mas com ficção”, afirma. Assim há actores profissionais, como Ana Padrão, com raízes na aldeia vizinha de Santulhão, a lusodescendente Jacqueline Corado ou a belga Catherine Salée, mas são só um núcleo duro do elenco. Os restantes são habitantes da Junqueira e redondezas. E não apenas figurantes. “São pessoas que não são actores, mas que se tornaram actores, porque filmar durante oito semanas, repetir cenas, faz com que essas pessoas, que têm outra vida profissional, se tornem actores e têm um saber também, mas mais intuitivo, menos controlado que um actor profissional”, sublinha. A realizadora diz ter ficado “muito comovida de ver essas pessoas”, que a conhecem desde sempre, “entraram nessa aventura” sempre com curiosidade e criatividade. Viriato Trancoso é natural da Junqueira mas mora em Espanha de onde regressou, depois de ter sido convidado pela realizadora para desempenhar o papel de presidente da junta. “Aceitei logo porque era uma coisa diferente e uma experiência nova”, conta. Entrou em muitas cenas “quase do início ao fim do filme”, mas diz que não foi difícil apesar de ter algumas falas. Agora está curioso para ver o resultado. “Oxalá seja um êxito para ela e para toda a gente” e acredita que vai ajudar a promover a aldeia. Viriato destaca “o movimento” durante as filmagens. “Havia tanta gente como quando era garoto”, refere. Teresa Pinto também entrou em algumas cenas, nomeadamente a do velório. “Ainda falava algumas coisas e cantava, ainda filmei sete ou oito dias”, conta. A habitante de Junqueira conta que para fazer apenas alguns minutos “filmavam muitas vezes, porque se alguém olhava para as câmaras já tinham de filmar outra vez, outros riam-se e fazíamos muitas vezes. Não sabia que era assim tanto trabalho”, diz. Adozinda Martins, de 81 anos, também participou no filme. “Fui a senhora que fui fazer o velório”, já que está familiarizada com o ritual. “Pegava no tercinho, benzíamo- -nos, rezávamos e cantávamos. Treinámos muitas vezes”, conta. É tia da realizadora e diz que recorda que estes foram dias de grande agitação na aldeia, que voltou há uma semana à calmaria e ruas vazias. “Quando íamos no corteja fúnebre do filme ia quase a gente toda do povo”, recorda. Além dos elementos da equipa, chegaram a ser 150 os membros do elenco, que deram vida à história pensada há alguns anos por Cristèle Alves Meira e que, depois de reunidos apoios de Portugal, França e Bélgica, deverá chegar às salas de cinema na Primavera do próximo ano. “Alma Viva” terá exibição, certamente, em Vimioso e outras telas da região, devendo ser ainda exibido na RTP, que é parceira do projecto.

Foto: Charles-Henri Bedue

Jornalista: 
Olga Telo Cordeiro