PUB.

Vereador abandona pelouros no município de Vinhais

PUB.

Ter, 08/09/2020 - 17:12


Pedro Miranda pretende, no entanto, manter-se como vereador sem pelouros.
O vereador permanente do município de Vinhais, Pedro Miranda, vai abdicar dos pelouros. Estava no cargo desde 2017, assumindo no seu primeiro mandato as pastas da acção social, saúde, transportes, desporto e tempos livres na câmara municipal.
Pedro Miranda confirmou essa intenção, mas garantiu que vai manter-se como vereador não permanente até ao final do mandato, explicando apenas que a saída está relacionada com motivos pessoais e profissionais.
Ao que o Jornal Nordeste apurou, o técnico de acção social no município pediu mobilidade para o centro distrital de Segurança Social.
Antes de assumir o cargo de vereador, Pedro Miranda tinha exercido, ao longo de 8 anos, as funções de chefe de gabinete do presidente da câmara, nos últimos dois mandatos autárquicos de Américo Pereira e, antes disso, foi membro da Assembleia Municipal. O vereador foi ainda líder da concelhia do PS de Vinhais até Janeiro passado, quando perdeu a eleição para o actual presidente da câmara, Luís Fernandes. Pedro Miranda assegura que a decisão de abdicar dos pelouros não tem uma relação com questões políticas. “Isso foi um processo democrático e não tem nada a ver, nem uma coisa
poderia implicar a outra, uma coisa é a câmara e outra é o partido”, sublinhou.
O socialista não quis prestar mais esclarecimentos antes de comunicar oficialmente a decisão na próxima reunião de câmara, de dia 14 de Setembro, ao restante executivo.
O presidente da câmara de Vinhais, Luís Fernandes, considera que se trata de uma situação normal, perante o pedido de “mobilidade para outro serviço”, que ao ser autorizada “claro que depois não
pode continuar como vereador com pelouros, isso é uma situação que decorre da própria lei”.
O autarca ainda não tomou uma decisão relativamente à redistribuição dos pelouros, o que só vai acontecer após a oficialização do pedido de renúncia dos pelouros por parte do vereador.
Caso se mantenha como vereador “serão redistribuídos por outros vereadores ou pode o presidente avocá-los em qualquer momento”.
Jornalista: 
Olga Telo Cordeiro