PUB.

Boa garganta com a bênção de S. Brás

PUB.

Ter, 11/02/2020 - 10:21


Viva! Como estão os leitores da Página do Tio João?

Esta edição é abençoada por N.ª Sr.ª de Lurdes, que se festeja no dia 11 de Fevereiro. Na mesma data celebra-se o Dia Mundial do Doente, instituído em 1992 pelo Papa João Paulo II, celebrado com o intuito de apelar à humanidade para que seja promovido um serviço de maior atenção à pessoa doente. Uma palavra amiga para todos os da nossa grande família que lutam com problemas de saúde.

A nível agrícola, a tia Neves, de Nuzedo de Baixo (Vinhais), contou-nos que já anda a “preparar os bogueiros” (pequenas porções de terra não regadas), e no quintal de casa já anda a “sachar as couves galegas para as galinhas e para o caldo-verde, ervilhas, favas” e já plantou quatro baldes de batatas.

Depois da chuva de sábado, nos próximos dias não há previsão de chuva e as temperaturas máximas chegarão aos 15 graus.

No final do mês de Janeiro mais dois amigos da família foram chamados por Deus: A tia Fatinha Ceguinha, de Vale de Agodim (Alijó) e o tio João Beirão, de Penela da Beira (Penedono). Na sexta-feira passada quem também nos deixou foi a tia Lúcia Afonso, de Gondesende (Bragança). Serão sempre recordados pela nossa família.

Que as suas almas descansem em paz.

Nos últimos dias festejaram o seu aniversário as gémeas Patrícia e Graciete Ferreira (34), de Canavezes (Valpaços); os gémeos Ruben e Rodrigo Vaz (14), de Argozelo (Vimioso); Ana Medeiros (48), de Nuzedo de Baixo (Vinhais); Paulo Trigo (41), de Alimonde (Bragança); Cândida do Nascimento (99), de Viduedo (Bragança); Elisa Maltez (84) e Zé Maria (78), ambos de Coelhoso (Bragança); Isaura Santos (64), de Murça (Vila Real); Cândida Alves (68), de Grijó (Bragança); Fernanda Domingues (86), de Passos de Lomba (Vinhais) e Arminda das Neves (66), de Nuzedo de Baixo (Vinhais). Para todos muita saúde e paz, que o resto a gente faz.

Agora vamos falar da tradição de benzer a garganta com o cajado de S. Brás, na vila de Torre de D. Chama.

 

No passado Domingo, dia 9, na vila de Torre de Dona Chama, festejou-se o S. Brás. A festa costuma realizar-se sempre no primeiro Domingo de Fevereiro, mas este ano como coincidia com a festa de N.ª Sr.ª da Encarnação (Sr.ª das Candeias), padroeira da vila e por isso também com festa própria, o S. Brás festejou-se, no segundo Domingo do mês.

É no cabeço do castro de S. Brás que se encontra a capela do santo, que a partilha com a Sr.ª da Encarnação. Antigamente estas imagens permaneciam na capela o ano todo, mas ultimamente, devido aos muitos assaltos a lugares de culto mais isolados das povoações, foram levadas para a igreja matriz.

Em conversa com a tia Isabel Santos, da Torre de D. Chama, contou-nos que “há alguns anos que a povoação já tinha dinheiro angariado para a construção da escadaria que iria ligar a vila ao santuário mas, no início das obras, foi descoberto um castro com ossadas e a obra não se pôde realizar”. Também nos disse que “a festa começa com a procissão, desde a igreja matriz até ao santuário de S. Brás, a cerca de um quilómetro e meio, acompanhada pela banda de música”.

Durante todo o dia é tradição fazer a bênção das gargantas com o cajado de S. Brás, às pessoas que sobem ao cabeço para o efeito. Ainda continua a fazer-se a habitual arrematação das peças de fumeiro oferecidas ao santo, embora em menor número do que noutros tempos. A tradição da partilha de farnéis nesse dia é outro costume que se está a perder, segundo nos disse a tia Isabel, que também nos contou que “antigamente era tradição os animais darem três voltas à capela de S. Brás para ficarem abençoados”.

O S. Brás é o santo evocado para curar os males da garganta pois, como reza a lenda, uma mãe desesperada porque a sua filha estava quase a morrer com uma espinha encravada na garganta, recorreu a S. Brás que, olhando para o céu, rezou enquanto fazia o sinal da cruz na garganta da menina, fazendo assim o milagre de a curar.

Este ano fui conhecer a festa de S. Brás a Torre de Dona Chama, onde a minha garganta, que tanta falta me faz no meu trabalho, ficou abençoada.