PUB.

Mário Freitas quer voltar Selecção Nacional de Futsal

PUB.

Seg, 25/05/2020 - 08:02


O jogador da AD Fundão, natural de Mogadouro, passou a quarentena na terra natal e, em entrevista ao Nordeste, avançou que há convites para jogar no estrangeiro e também para continuar no emblema das Beiras. O regresso à Selecção Nacional continua a estar nos planos de Mário Freitas.

 

- Mário como analisas o cancelamento da Liga Palcard?

Neste momento parece-me o mais correcto. Não há jogo nem campeonato mais importante que a saúde de todos. Obviamente com esse cancelamento há várias situações que não são fáceis resolver, correndo até o risco de haver algumas injustiças, nomeadamente em situações de subidas e descidas de divisão. Mas, nós temos que perceber, ser racionais e analisar que não é uma situação fácil para ninguém e que a saúde agora é o mais importante.

 

-Foi a melhor decisão ou achas que agora, como vai acontecer com a 1ª Liga de futebol, haveria condições para terminar o que restava da prova?

Seria difícil, apesar da grande vontade e das saudades que temos. Eu, particularmente, e visto de fora, também não concordo com a retoma da 1ª Liga mas percebo que a mesma envolve muita coisa extra futebol. Não acredito que tivéssemos totalmente seguros com esse regresso a todos os níveis.

 

-O Fundão termina a época no oitavo lugar. Foi uma campanha positiva ou um pouco aquém das expectativas?

Um pouco aquém das expectativas. Era expectável que na fase que terminou a época tivéssemos uma classificação melhor. Apesar de ter sido uma época muito atípica para nós, não me lembro de um plantel com tantos jogadores lesionados, mas isso nunca foi desculpa. Quando aconteceu a paragem estávamos talvez na melhor fase da época e talvez fossemos chegar à fase decisiva em grande forma.

 

- A nível individual estiveste várias vezes em destaque em várias jornadas foste a figura do campeonato. Foi uma época positiva nesse sentido?

Bastante positiva a nível individual. Uma época em que estive num excelente nível mantendo o que tenho vindo a fazer nos últimos anos. Mais uma vez chego ao fim da época e estou no Top5 das várias estatísticas da nossa liga à imagem dos últimos anos. Essa regularidade tem sido importante, mas mais importante que tudo é ajudar o clube.

 

-Falasse numa reestruturação do futsal em Portugal, nos próximos dias haverá novidades nesse sentido. Sabe-se que há uma proposta para o alargamento da Liga Placard, mas que não agrada à maioria dos clubes, concordas?

Eu acho que é uma boa oportunidade para a Federação Portuguesa de Futebol restruturar os campeonatos e parece-me interessante e importante regressar a 3ª divisão um pouco a imagem do que houve há uns anos atrás. Ia aumentar a competitividade e a exigência dos campeonatos, tem é que haver uma forma justa de fazer essa mesma restruturação. Não me parece, por exemplo, justo que equipas desçam da 2ª divisão para os distritais como já se falou. Mas, eu acredito que a FPF vai encontrar uma solução boa para todos. Em relação ao aumento da Liga Placard para nós jogadores quantos mais jogos melhor.

 

-O que é que na tua opinião falta fazer para dar ainda mais visibilidade ao futsal? Se bem que nos últimos anos já deu passos largos nesse sentido …

A FPF na minha opinião está a fazer um óptimo trabalho na promoção da modalidade e o Canal 11 esta a ser importantíssimo. Agora é continuar esse caminho com mais jogos, com mais reportagens e mais programas da modalidade, alargando isso as várias divisões. E, por fim, muito importante a profissionalização da liga será um ponto chave na evolução nos próximos anos.

 

-Foi difícil para ti a quarentena? Como foram os treinos?

Não foi uma situação fácil confesso. Mas tive que me adaptar. Vim para Mogadouro e aproveitei para estar com a família. que nem sempre consigo, então isso foi um ponto positivo nesta situação. Em relação aos treinos tivemos o acompanhamento do clube até dada altura e com algum material de treino que tenho conseguido treinar com qualidade, apesar de ser difícil e diferente do normal.

 

-O Mundial de Futsalfoi adiado para 2021. Regressar à selecção nacional é um objectivo?

É claramente um objectivo. Eu vou continuar a trabalhar nesse sentido para estar nas próximas convocatórias e quem sabe estar no mundial, que é o meu grande desejo.

 

-Já que falamos de futuro, vais continuar no Fundão na próxima época ou há outras propostas?

Vamos ver. Claramente, eu estou feliz no Fundão e estamos a negociar a continuidade e é uma grande possibilidade a renovação. Neste momento há várias possibilidades, nomeadamente do estrangeiro. Vamos ver o que acontece, mas ainda nada esta decidido.

 

Foto de Zé Paulo Silva