Bragança retratada pela SketchTour Portugal

Ter, 12/10/2021 - 11:37


A última etapa da SketchTour Portugal retratou o Norte do país e arrancou em Bragança

A iniciativa, que se realiza pela segunda vez, tem como objectivo promover a oferta turística e o turismo literário, ao convidar desenhadores e escritores para visitar e ilustrar o território. Durante os dias 6 e 7 de Outubro, dois desenhadores estiveram em Bragança e nas aldeias de Montesinho e Rio de Onor para fazer ilustrações que vão ajudar a promover a região. A iniciativa, do Turismo de Portugal e da Urban Sketchers, inclui também um escritor, e desafia os três autores a partilharem as emoções despertadas pelas paisagens, a história, o património e a cultura. Para o sketcher Marco Costa o território não é desconhecido, já que dá aulas no Instituto Politécnico de Bragança, mas admite que este projecto lhe permite observar a paisagem com outros olhos. “Esta experiência permite-me ter o tempo para encontrar detalhes. Das outras vezes que cá vim foi mais em passeio e com outro objectivo, de desfrutar do espaço e não tanto do olhar para procurar pretextos para desenhar”, destaca. Agora é possível a “concentração do olhar num telhado, num jardim, numa horta, num animal ou numa árvore”. Para o artista, “quando se procura desenhar o olhar desvia-se com um outro pormenor que se calhar não temos quando andamos num passeio turístico”. O que lhe interessa em especial são os detalhes “da paisagem, do património” que se encontram e que “parecem ser pormenores únicos” e “sobretudo as formas”. “O que não falta aqui, o difícil é escolher”, afirma. Já Rita Sabler é da Califórnia, nos Estados Unidos da América, e aceitou vir até Portugal desenhar e pintar o Norte do país. Gosta de retratar pessoas nas suas aguarelas, mas na aldeia de Montesinho também a paisagem e a aquitectura lhe captaram a atenção. “Normalmente, procuro uma história. Se vejo alguma coisa a acontecer desenho isso, mas por vezes desenho paisagens bonitas ou algo muito típico do local onde estou”, conta, apesar de a língua ser por vezes um entrave, em alguns dos seus desenhos contam balões com diálogos ou excertos de conversas com os habitantes locais. A artista aceitou viajar até Portugal porque considera que esta é uma boa oportunidade para dar a conhecer a paisagem de uma outra forma e porque entende que “esta é uma oportunidade incrível de mostrar o país através do desenho”. “Sinto-me muito honrada por fazer parte deste projecto. É fantástico que Portugal invista na arte desta forma, somos poucos os que têm a sorte de poder vivenciar o país desta forma, a viajar e desenhar”, afirmou. O escritor convidado para a etapa do projecto na zona Norte foi Jacinto Lucas Pires. Aceitou o desafio atraído pela “ideia de estar em diálogo com a paisagem, as pessoas e ao mesmo tempo com os desenhadores”. “Os lugares são espantosos, mas como as pessoas os definem e nos dão a ver os lugares” é o que mais o cativa. “Uma pessoa que conhece a terra e nos dá uma perspectiva sobre o lugar, de repente é como se o lugar começasse a falar para nós na primeira pessoa. Isso é muito diferente de sermos só gente que passa pelos sítios e que não consegue perceber o que há atrás da colecção de pedras deste senhor”, em Montesinho, sublinhou o autor, que quis “perceber o que está para lá das coisas”. “O esforço da escrita é um bocado esse, desenhar o desenho que não se vê”, referiu. Se o resultado destas visitas será traduzido em contos, crónicas ou outro género narrativo, Jacinto Luas Pires admite que ainda não sabe. “O desafio também é esse, saltar no escuro sem saber que texto é que vai sair, mas imagino que será um pouco uma mistura de tudo isso”, refere. Acredita que “as vozes das pessoas das terras” é que o vão guiar na escrita. “Mas onde vou chegar com elas, não sei”, confessa. O resultado pode ser conhecido daqui a alguns meses no livro que será lançado juntando os textos e as ilustrações. A visita dos vários autores dará também origem a desenhos – mais de 500 relativos às sete regiões de turismo de todo o país – a vídeos, um documentário e uma exposição multimédia. Depois de Bragança os desenhadores e o escritor seguiram viagem para o Minho. O projecto pretende promover o país a nível internacional de uma forma artística.

Jornalista: 
Olga Telo Cordeiro