PUB.

Izeda assinala 31 anos de elevação a vila

PUB.

Qua, 21/07/2021 - 16:44


Luís Filipe Fernandes pode cumprir mais um mandato, caso se recandidate às eleições de 26 de Setembro e ganhe, mas o socialista não avança, para já, se se apresenta à corrida

A celebração dos 31 anos de elevação de Izeda a vila assinalou-se neste domingo, dia 18, e ficou marcada pela homenagem ao ex-presidente da assembleia de freguesia. “Mário Pereira – Orgulhosamente Izedense” foi a obra, que reúne textos e poemas do homenageado, apresentada. Mário Pereira morreu em Dezembro de 2018. O actual autarca Luís Filipe Fernandes, presidente, há oito anos, da União de Freguesias de Izeda, Calvelhe e Paradinha Nova, assumiu, à margem do 31º aniversário de Izeda a vila, que ainda não é certo que se recandidate ao cargo, nas próximas eleições autárquicas. O socialista, que caso se apresente novamente como candidato e ganhe, pode cumprir um terceiro e último mandato. Refira-se que Luís Filipe Fernandes é um dos apenas cinco autarcas de junta de freguesia onde o Partido Socialista é poder. Nas outras 34 freguesias ou uniões de freguesia é o Partido Social Democrata a força partidária eleita, para já. “É um tema tabu. Neste momento, ainda não está decidido”, explicou o presidente. Questionado sobre o legado que deixa à vila e àquelas aldeias, Luís Filipe Fernandes diz-se tranquilo, caso não se recandidate ou não vença as eleições de 26 de Setembro. “De qualquer forma, se sair, saio satisfeito e de consciência tranquila por tudo ter feito por estas gentes”, vincou ainda. A par das comemorações da elevação de Izeda à categoria de vila, o autarca assumiu que, aos 31 anos, àquela terra faltam uns pequenos grandes arranjos, nomeadamente nuns passeios, afectos à Estrada Nacional 217, que faz ligação com a aldeia de Morais. “Gostaríamos de ter feito mais alguma coisa, com o apoio das instituições que nos poderiam ajudar, mas, infelizmente, não foi possível”, disse o presidente, assumindo ter consciência de que muito do dinheiro que podia ter sido destinado a empreitadas físicas foi canalizado, como “não podia deixar de ser”, para os efeitos da pandemia. “Sei que a câmara está em negociações com a Infra- -Estrututas de Portugal (IP), já que ali passa uma estrada nacional. Penso que estão com algumas dificuldades, já que a IP está a levantar alguns problemas, nomeadamente várias burocracias, que nos custa a entender”, esclareceu. O arranjo a que se reportou, que “deixa muita pena” por não se ter ainda cumprido, envolvia também a rotunda sul da vila. Na cerimónia esteve presente o presidente da Câmara Municipal de Bragança. Hernâni Dias explicou que quanto à obra reivindicada por Luís Filipe Fernandes está por cumprir mas não se trata de dinheiro. “Sob o ponto de vista financeiro não é nada de extraordinário. A questão é mesmo a impossibilidade de intervir no espaço, porque não é tutelado por nós. Enquanto não houver autorização não podemos intervir”, assumiu o presidente da câmara, deixando assente que o município está “atento” às necessidades daquele território e das gentes que lá vivem. Esta empreitada está orçada em pouco mais de 35 mil euros.

Jornalista: 
Carina Alves