PUB.

Plantação de cerejais requer garantia de seguros

PUB.

Ter, 26/05/2020 - 11:52


Directora Regional de Agricultura e Pescas do Norte considera finaciar seguros para as plantações

De visita a Alfândega da Fé, a propósito do mercado ao ar livre, na inauguração do certame dedicado à cereja, no sábado, Carla Alves, Directora Regional de Agricultura e Pescas do Norte, mostrou-se satisfeita com a reconversão de grande parte dos cerejais no concelho. A directora assinalou que, no âmbito do Plano de Desenvolvimento Rural, o PDR 2020, têm sido apoiados, na região, diversos projectos para a plantação destas árvores de fruto. Carla Alves destacou ainda que, “para além de se plantar, é fundamental fazer plantações cobertas por seguros porque, com as alterações climáticas, há produções que têm sofrido mais”. Assim, a directora regional considera que esta é a questão mais “importante”, não pensando apenas em ajudar quando a produção diminui mas sim em apoiar os produtores e agricultores quando querem plantar novos cerejais, criando mecanismos que ajudem a minimizar os estragos e problemas que possam vir a ter. Carla Alves entende que, neste momento, é preciso trabalhar no sentido de, num próximo quadro comunitário de apoio, haver uma revisão na forma de aprovação dos projectos. “Ainda agora aqui, em Sambade, há um projecto grande de amendoal e cerejal. Estes projectos têm sido apoiados no âmbito do PDR e estas produções têm aumentado bastante mas também é necessário pensar muito noutra questão que tem a ver com o escoamento da produção”, frisou ainda.

E no que toca ao escoamento deste e de outros produtos locais, a directora regional não tem dúvidas de que levar o que se produz para a Internet pode ser uma solução bastante eficaz. As vendas online, segundo considerou, são cada vez mais importantes e um bom exemplo disso é a plataforma digital “Alimente quem o Alimenta”, criada pelo Ministério da Agricultura, a partir da qual qualquer produtor poderá efectuar o seu registo para anunciar os seus produtos e cabazes, disponíveis para encomenda/entrega, sendo que qualquer consumidor poderá pesquisar por concelho e produtos e desta forma identificar os produtores da sua região e encomendar o que quiser. Nesta plataforma há vários produtores da região inscritos, o que agrada a Carla Alves, que sublinhou que “há poucos dias, o Norte era até das regiões que tinha mais produtores inscritos”. Este modelo de venda está ainda a fazer com que, ao mesmo tempo que se escoam os produtos, se reivente o mercado e se faça com que tudo chegue a mais gente. “É numa altura destas que no país se valoriza mais o que é nosso”, finalizou.

Jornalista: 
Carina Alves