PUB.

Projecto de ampliação do regadio em Alfândega da Fé tem verbas garantidas no novo quadro comunitário

PUB.

Qua, 15/06/2016 - 15:19


Obras rondam os 4 milhões de euros e cujo regadio deve abranger 800 hectares de terrenos agrícolas.

O projecto de implementação da 2ª fase do regadio de Alfândega da Fé tem luz verde para avançar com verbas do novo quadro comunitário de apoio. A garantia foi deixada por Pedro Ribeiro, adjunto do Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, na abertura oficial da Festa da Cereja de Alfândega da Fé, na passada sexta-feira. “Esta região tem um projecto de regadio da Barragem da Camba, que eu julgo que está bem posicionado e que, em breve, será decidido. Esperemos que, até ao final do ano possam ser lançadas as obras de requalificação, o que permitirá aumentar substancialmente a produtividade do regadio desta zona”, frisou Pedro Ribeiro.

O representante do ministro da agricultura referiu ainda que o governo está a analisar as candidaturas dos jovens agricultores, que se acumularam, sobretudo na região Norte. O objectivo é aprovar o maior número de candidaturas possível.

Medidas que resultam da reprogramação do PDR 2020 que o governo está a levar a cabo e que pretende beneficiar, sobretudo, pequenos agricultores e jovens agricultores. A ampliação da área de regadio de Alfândega da Fé e do Alqueva é outro dos objectivos do Ministério da Agricultura. No caso de Alfândega da Fé, o objectivo é construir uma barragem no planalto de Vilarchão e Parada e a reabilitação da barragem de Vale do Camba. Obras que rondam os 4 milhões de euros e cujo regadio deve abranger 800 hectares de terrenos agrícolas. A primeira fase de reabilitação do regadio de Alfândega da Fé, inaugurada no Verão passado, serviu para requalificar o perímetro de rega da Barragem da Estevaínha, que beneficia cerca de 600 hectares de terrenos.

O presidente da Cooperativa Agrícola de Alfândega da Fé, Eduardo Tavares, explica que a requalificação do sistema de regadio tem permitido a expansão da área de cerejal e amendoal, acrescentando que “o processo de arrendamento de terras para jovens plantarem cerejeira, foi um êxito”, já que “os 25 hectares de terras disponíveis foram entregues a quatro jovens agricultores, que já iniciaram os seus investimentos”.

Já a presidente do Município de Alfândega da Fé, Berta Nunes, ainda que satisfeita com a garantia da beneficiação do regadio, aproveitou a presença de representantes institucionais e governamentais, para deixar algumas críticas em relação à distribuição dos fundos comunitários. “Alfandega da Fé teve dois milhões e meio de euros, no quadro comunitário anterior e, neste quadro, só teria 800 mil, quando temos ainda toda uma zona antiga para reabilitar e temos necessidade de o fazer. É uma necessidade, até para apostarmos no turismo”, sublinhou a autarca.

Na cerimónia de abertura oficial de abertura da Festa da Cereja de Alfândega da Fé marcaram presença, além do adjunto do Ministro da Agricultura, o director regional de Cultura do Norte, António Ponte, a presidente da Unidade de Missão para a Valorização do Interior, Helena Freitas e a deputada do PS, eleita pela distrito de Bragança, Júlia Rodrigues, que se juntaram a representantes de alguns municípios e instituições do distrito de Bragança.

 

Jornalista: 
Sara Geraldes