PUB.

Subiu para 18 o número de mortos na Misericórdia de Bragança

PUB.

Ter, 20/10/2020 - 11:28


Há 165 casos activos na instituição

O distrito de Bragança ultrapassou, na semana passada, os mil casos de Covid-19, desde que foi identificada a primeira pessoa infectada com o vírus, a meio do mês de Março, em Mirandela. Desde a última edição deste jornal, que dava conta da morte de 10 utentes da Santa Casa da Misericórdia de Bragança, já morreram mais oito pessoas. Também morreram mais dois homens que não estão relacionados com o surto identificado na santa casa: um deles, com cerca de 80 anos, natural de Edral, no concelho de Vinhais, e o outro, de 67 anos, natural de Deilão, no concelho de Bragança. Há 165 casos activos na Santa Casa da Misericórdia de Bragança, quatro utentes hospitalizados e já recuperaram sete colaboradores. Ao longo destes últimos dias também foi identificado um novo surto. Alguns funcionários da câmara de Bragança testaram positivo para a doença. “Creio que há cinco trabalhadores infectados, embora tenhamos todas as medidas tomadas desde há muito tempo, nomeadamente horários desfasados, pessoas devidamente distanciadas e com a colocação de barreiras entre elas. A verdade é que aquilo que acontece nos locais de trabalho não é suficiente”, confirmava a este jornal o presidente da câmara, Hernâni Dias, há cerca de uma semana. A Covid-19 também já chegou a lares de Macedo de Cavaleiros. Um utente e dois funcionários de um lar situado no Lombo, pertencente à Santa Casa da Misericórdia daquele concelho, testaram positivo para o vírus. Alfredo Castanheira Pinto, provedor da instituição, que confirmou os casos, avançou que o idoso, de 84 anos, está assintomático e em isolamento profilático no próprio lar e que os funcionários, que estariam de férias quando foram testados, estão isolados em casa. O provedor adiantou ainda que todos os restantes utentes e funcionários do lar já foram testados e deram negativo, estando o lar a funcionar normalmente. Já na Casa de Repouso Afonso, também em Macedo de Cavaleiros, há, neste momento, dez utentes e duas auxiliares infectados com Covid-19. O primeiro caso foi o de uma utente, de 77 anos, que está assintomática e testou positivo ao realizar o teste antes de uma intervenção cirúrgica. Segundo a directora técnica do lar, Marta Teixeira, a instituição tem estado a trabalhar em articulação com as autoridades de saúde locais e a casa está a ser desinfectada. Estão também a ser criadas alas para separar os utentes. Além dos focos identificados em Bragança, também há registo de um outro, em Vilarinho dos Galegos, no concelho de Mogadouro. Sabe-se que este foco estará relacionado com uma vindima que aconteceu naquela localidade. No agrupamento de escolas de Mogadouro há actualmente dez infectados, dois professores e oito alunos.

 
 
Presidente da câmara de Bragança descarta cerca sanitária
 
Estabelecer uma cerca sanitária a Bragança, por causa da pandemia, está, para já, fora de questão. Foi essa a posição do presidente da câmara, Hernâni Dias, depois de, na semana passada, terem surgido dúvidas e comentários nas redes sociais acerca da questão. O autarca de Bragança afirmou que havia mesmo falado com o secretário de Estado da Mobilidade, coordenador regional do Norte da Covid-19, Eduardo Pinheiro, tendo abordado o assunto e que o governante lhe confirmara que a possibilidade não estava em cima da mesa. “A situação da pandemia em Bragança não justifica tal cerca sanitária à nossa cidade”, frisou Hernâni Dias. O autarca assinalou que a questão foi suscitada porque “algumas pessoas querem, eventualmente, lançar o pânico entre a comunidade” e, por isso, pediu “calma” e que se tenha a “noção” de que “tudo está a ser trabalhado”.
Jornalista: 
Carina Alves/Ângela Pais