PUB.

Tasca do Zé Tuga serve mata-bicho transmontano ao fim-de-semana

PUB.

Ter, 17/11/2020 - 10:52


O sector da restauração está a passar por dificuldades devido às novas restrições impostas pelo Governo nos 191 concelhos com risco elevado de contágio de Covid-19.

Ainda assim, há proprietários destes estabelecimentos que não cruzam os braços e tentam reinventar-se. Um deles é o chefe transmontano Luís Portugal. Ter que fechar o restaurante às 13 horas, ao fim-de-semana, não lhe permite servir almoços e o take- -away também não é suficiente para manter o negócio. Por isso, decidiu dar asas à imaginação e servir o famoso mata-bicho transmontano, entre as 10h e o 12h30. “A equipa decidiu que era melhor inovar do que rachar, então fomos inovando pela tradição e lembrámo-nos do mata-bicho transmontano onde temos as sopas de cavalo cansado, o caldo de butelo e casulas, os figos secos, a barriga de porco, a alheira, o presunto, o queijo, os bolos de bacalhau e as filhoses”, contou o proprietário da Tasca do Zé Tuga. José Guilherme foi dos primeiros a provar o mata- -bicho transmontano. Disse querer ajudar a manter a actividade da Tasca do Zé Tuga e, por isso, marcou presença. “É a primeira vez que como, não é uma coisa que convém comer todos os dias, porque é um bocado pesado, mas é agradável e a interpretação que eles fazem é boa”, contou. Apesar dos restaurantes terem a lotação reduzida para metade, os brigantinos mostraram-se solidários com a iniciativa e esgotaram as reservas da Tasca do Zé Tuga. Ainda assim, Luís Portugal salientou que não é suficiente para compensar a perda. “Não podemos cruzar os braços, porque estávamos a dar a razão ao bicho (Covid-19) e aos nossos políticos que estão de forma leviana e completamente atópica a tomar medidas que em nada ajudam”, afirmou. O chefe transmontano foi ainda mais longe e criticou a falta de apoio por parte do Governo e apontou ainda que muitos negócios não se irão manter até ao final do ano. “Não nos podemos esquecer que em Trás-os-Montes e Bragança, a restauração sempre foi um veículo de dinamização e um chamariz do turismo e vemos tudo impávido e sereno, sem medidas, sem falarem connosco”, referiu, frisando que a autarquia nada pode fazer, mas “tem a obrigação” de representar o sector perante a tutela. E como para o próximo fim-de-semana as limitações se repetem no concelho de Bragança, a Tasca do Zé Tuga volta abrir, entre as 10h e o 12h30, para servir o mata-bicho transmontano.

Jornalista: 
Ângela Pais