O Mystic Tua

Já se perdeu a conta aos anos a que a mítica linha do Tua foi desactivada. O que não é de admirar, porquanto tal aconteceu em 1992. Já no século passado, portanto. Todavia, muitas esperanças continuaram a correr rio abaixo mas que invariavelmente desaguaram no mar das promessas eleitorais, eufemismos de mentiras. Sobretudo a partir do momento em que alguém, com poder para tanto, ousou erguer a controversa barragem da foz do Tua, (um espinho cravado na garganta dos ambientalistas que, impotentes, viram as suas justas reclamações inexoravelmente afogadas no vale sacrificado), mandatando autarcas subservientes para porem a correr novas ilusões, agora rio acima, contra corrente. A verdade é que o vale do Tua, na sua pureza virginal, reunia potencialidades geomorfológicas, biológicas, agrícolas, ambientais e turísticas tão ou mais valiosas do que aquelas que alicerçaram o desnaturado paredão e que era forçoso afogar. Talvez isso também explique que não tenha demorado a encher-se a albufeira que submergiu 17 km de ferrovia, na qual continuam a esbracejar tais sonhos e ilusões votados ao abandono. De palpável resta um emblemático edifício arruinado, bem no coração de Mirandela, à espera dos turistas que, ao que tudo leva a crer, só eles o poderão salvar do colapso ou da banal inutilidade em que definham muitos projectos apodados de culturais. Todas a esperanças continuam a recair na Mystic Tua, a novíssima empresa do conhecido empresário Mário Ferreira que se propôs trazer turistas qualificados, algumas centenas que sejam já será muito bom, e dar corpo e alma a tão peregrino projecto, que se prefigura, mesmo assim, de importância decisiva para o progresso de Mirandela e da própria região envolvente, em várias vertentes. Mystic Tua! Nome mais apropriado não poderiam ter encontrado, porque, até ver, tudo o que existe não passa de uma miragem, de um mistério, de uma devoção a Nossa Senhora do Amparo, para aqueles que acreditam. Para surpresa e desgosto de muitos, porém, Mário Ferreira veio recentemente a público ameaçar que se retirará do projecto se quem de direito continuar a não fazer o que deve ou a não decidir o que deve ser urgentemente decidido. Isto é, se a balofa Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua não decidir, ou não ousar que quem de direito decida o que deve, o projecto, que não tem alternativas, morre. Fica-se assim sem saber se a etérea Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua, um monstro acéfalo que se tem mostrado incapaz de levar a bom porto tão decisivo empreendimento, é a causadora de tamanho imbróglio ou ela própria o próprio imbróglio. Talvez esteja à espera da “bazuca” PRR, para caçar tordos! Foi com muito agrado, contudo, que os mirandelenses tomaram conhecimento público de que as obras de requalificação da emblemática Estação irão arrancar, finalmente, o que os leva a induzir que também o projecto Mystic Tua deixará, por fim, o domínio místico para se tronar realidade. É uma esperança que renasce. Esperemos que os tapumes que foram prometidos para os “próximos dias”, aguentem firmes para lá das eleições autárquicas que se avizinham, sinal de que a obras da estação arrancaram de verdade e que os prazos estabelecidos serão cumpridos. Pintar um depósito de água, ainda que simbólico, é poucochinho. Vale de Salgueiro, 15 de Fevereiro de 2021

Henrique Pedro