PUB.

Alberto Fernandes: in memoriam

Amicus est alter ego, dizia Pitágoras, na linha de Marcial, Cícero, Séneca, Horácio, Santo Agostinho, Montaigne, D. Francisco de Portugal e tantos mais. Ressinto, pungente, este «outro eu» da amizade, na manhã de quinta-feira, 27 de Outubro, em que vai a enterrar Alberto Fernandes: é uma injustiça; e, se eu desejava estar com Henriqueta, Maria João e Maria Henrique, o mínimo que posso fazer é lembrá-lo, num entendimento de 45 anos.
Entrávamos na juventude, com um pé na insatisfação. Arguto, modulando ironias num sorriso, Alberto respondia aos nossos fervores com uma reserva de quem pisava o chão (vindo de família numerosa), e, mais do que a página que nunca deixou de o acompanhar, sentia a desigualdade social como tarefa urgente a vencer.
Assim, já na Faculdade de Direito de Lisboa, onde se formou, o pós-25 de Abril fê-lo radical de Esquerda – contra certa Esquerda, e a Direita que, em contra-manifestação, o levou ao hospital e à prisão. Sucederam derivas entre Portugal e França, empregos menores que a coragem suportou: quando vivíamos no Bairro Alto, o autocarro madrugador apavorava-o. Descansávamos num filme e nas intermináveis conversas sobre literatura, Lisboa fora.
  Foi quando, vencendo essa visceral reserva, consegui estreá-lo em volume. Acácio Trigo e eu já tínhamos publicado; não ele, nem Victor Rodrigues, que ambos seleccionei sob o título “Março” e “As primeiras mãos”, resultando Março ou as primeiras mãos, assinado pelo quatro. Celebrámos estes versos com jantar na Rua de São Marçal, em 28 de Março de 1981. Em breve, teríamos outro fogacho: Bico d’Obra, uma editora de vida curta. Era maneira de trazer à boa mesa – até à dor de Alberto não poder beber o tinto Cistus, produção de família – amigos como João Manuel Neto Jacob, Hélia Correia, Rui Ferreira e Sousa e Victor Rodrigues, com este vivendo também sob o mesmo tecto, pouco depois. 
Ora, o leitor de clássicos (ainda neste Verão, lia os clássicos antigos), cada vez mais avesso aos génios do dia, era um narrador nato. Sendo o nosso melhor contador de histórias (era um prazer escutá-lo), por mais que eu insistisse, não se dignava dá-las ao prelo. Alguma publiquei em jornal ou revista, todavia, nos anos 80 e 90; e, animado por José Carrapatoso – com quem esteve largos anos nos destinos da Escola Secundária Miguel Torga –, de ambos recebi material notável, e a resposta que Alberto reiterava: «Não vale a pena…» Tenho aqui Farruco e outros contos, do melhor que a prosa de cor transmontana nos oferece: «Dá-se o caso que ao Antero de tal forma lhe tolheu a razão, já pouca, a primeira vez que conheceu mulher, que o caso foi falado por muita distância de povos com brado de milagre ou coisa inexplicável pelo humano entendimento. Assim foi, de facto, lembro-me como se fosse hoje, e ainda não formei juízo, depois de tanto tempo decorrido, sobre tal assunto de pasmar. Mas eu conto, ciente que não haverá nenhum de vós que, sucinto ou por largo, não tenha dele tido notícia.»
Recordo a tarde de 25 de Dezembro de 2001, após o funeral de um irmão do Marcolino Cepeda, também dilecto Amigo: dei uma volta com o Alberto, que trazia Maria João e Maria Henrique – aquela, séria e inteligente no seu sorriso bom; esta, já convivial, malandra («Pai, não inventes!»), ambas significando um futuro que é a grande obra de Alberto e Henriqueta.
Henriqueta pedia outra demora. Resumo-a numa palavra: grandeza. Alberto deveu-lhe a vida, no meio de tanto sofrimento dele, e sacrifício dela. Só assim o pudemos ter connosco – embora um pouco menos do que seria justo.
Às onze da manhã desta quinta-feira, deixo uma lágrima pelo meu Amigo.

Mecenas e mercenários.

Entre nós, sabe-se lá porque perversos sortilégios, os governos, por regra e sem pudor, subordinam-se aos banqueiros em particular, mas não só.
É o poder político que se submete ao poder económico com prejuízo do desenvolvimento coeso e coerente do País, assim se explicando que o interior rural esteja cada vez mais pobre e ermado, quando deveria ser o contrário, como a Constituição preconiza, a bem da Nação e não dos interesses de meia dúzia para quem apenas os negócios chorudos interessam.
Nesta matéria, o actual governo, o da dita geringonça, embora batendo válvulas e chapas, segue na peugada dos governos fórmula 1 do PS, do PSD, e do pendura CDS, que andaram todo tempo a acelerar.
Isto por muito que custe ao senhor Jerónimo de Sousa e à senhora Catarina Martins, demiurgos que insuflaram a alma a esse governo de barro.
Governo geringonça que continua deliberadamente a malbaratar milhares de milhões de euros em bancos falidos, sonegados aos contribuintes, e a usar de especial benevolência para com as empresas dominantes como o fizeram os governos topo de gama atrás citados.
Ninguém tem que se admirar, portanto, com a subserviência de uns tantos governantes a tais empresas e bancos que tem sido matéria de muitos escândalos noticiosos.
Esta dependência viciosa do poder político de duvidosa democraticidade, ficou agora mais patente com a contratação de gestores de elite para a Caixa Geral de Depósitos, pagos que nem nababos sauditas.
Não para fazerem milagres, certamente, mas apenas para gerirem como o faria qualquer merceeiro de praceta em crise: despedir empregados, seduzir nova clientela e aumentar o preço das batatas e das cebolas, que é como quem diz, alargar as alcavalas dos serviços bancários. Seguros de que se a mercearia pública continuar a dar prejuízo, nenhum mal daí advirá porque alguém virá a seguir para fechar a porta. Ou será que os salários faraónicos dos administradores garantem que a empresa dará lucro?
Quer se goste quer não, trata-se de salários obscenos, que não deixariam de o ser mesmo se o Estado estivesse a abarrotar de dinheiro. Que ofendem os milhões de cidadãos que sobrevivem na mais penosa pobreza, que são um atentado à justiça, à liberdade e à igualdade e envergonham a democracia, o socialismo, a social-democracia, a democracia cristã e tudo o mais que se quiser.
Salários que postergam toda e qualquer ideia de serviço público e de justiça social ainda que não dispensem as useiras e vezeiras vaidades, condecorações e comendas no final do mandato.
Grave, sobretudo, é que o primeiro-ministro socialista se esqueça que a política possui uma dimensão ética que em nenhuma circunstância deve ser esmagada pela componente tecnocrática e que os mercenários, os ditos soldados da fortuna, nem sempre ganham guerras.
Que estranha política de esquerda é esta que faz dos contribuintes mecenas de banqueiros e dos banqueiros mercenários do Estado!
Este texto não se conforma com o novo Acordo Ortográfico.

PEDAÇOS DO NORDESTE NO CÉU DE LISBOA

Em conversa amena com um velho amigo, veio à baila o editorial que o diretor do Jornal Nordeste, onde ambos cronicamos, publicou a 11 de outubro deste ano. Feito a propósito da notícia da festa de inauguração do novo MAAT, na capital, glorificando a rica EDP cuja parte significativa da energia que vende é produzida na bacia do Douro não se vislumbrando por cá grande coisa, como contrapartida. A poderosa Fundação dirigida e financiada pela elétrica nacional construiu um vistoso museu na capital engrandecendo, é certo, todo o país, mas, de maneira especial, a cidade ribeirinha do Tejo.
Teófilo Vaz afirma ainda que também nos cabe a nós exigir que os recursos que nos são sequestrados sejam devidamente valorizados. Sendo verdade que as barragens durienses e dos seus afluentes são fontes de riqueza e desenvolvimento, também é verdade que a maior valia vai para as grandes urbes cujo bem estar se faz à custa de privações nordestinas. Para que haja ar condicionado confortável, iluminação suficiente, força-motriz adequada na indústria e nos transportes públicos, programas lúdicos, telecomunicações e tantas outras regalias providenciadas em abundância e com comodidade aos alfacinhas e a todos os que os visitam, milhares de nordestinos tiveram de abdicar de incontável número de oliveiras, amendoeiras e outras árvores, de muitas praias fluviais e de uma incomensurável grandeza de paisagem perdida para sempre. Em boa verdade muito do encanto lisboeta faz-se com pesadas contribuições do interior. Uma enorme fatia do seu céu, é composto de pedaços arrancados ao firmamento nordestino.
É natural esperar que os sacrifícios sejam devidamente valorizados e recompensados.
Não será, concerteza, para responder ao excelente editorial do Diretor do Jornal Nordeste, nem tão-pouco com a rapidez que se deseja, muito menos no valor merecido, mas houve notícia recente da implementação de alguns projetos marcantes integradas no largo pacote das medidas compensatórias com que a EDP se comprometeu.
Um texto do Jornal Público de 15 de outubro do ano corrente deu conta da concessão da exploração turística da albufeira do Tua e de parte da linha férrea sobrevivente, em exclusivo,  ao empresário duriense, Mário Ferreira. Não terá sido fácil, garante o empreendedor. Tal acordo só foi concretizado depois de a EDP ter sido “obrigada” a fazer vultuosos investimentos para que o empreendimento fosse sustentável. Segundo o dono da Douro Azul a elétrica teve, na prática, de duplicar o seu investimento inicial de dez milhões de euros para tornar o projeto apetecível.
O Presidente da Câmara de Torre de Moncorvo anunciou recentemente um projeto turístico, embora sem se revelar os valores envolvidos, que vai catapultar a região do Baixo Sabor para um patamar cimeiro na oferta turística de qualidade. Trata-se do Sabor Lake Resort um conceito inovador de exploração da albufeira, com base em casas flutuantes que percorrerão os diferentes lagos que a barragem criou em Moncorvo, Mogadouro e Alfândega.

Perguntas I (que alguém saberá responder porque eu não faço a mínima ideia) - Futuro da Economia

1-Para além dos jornais e revista da especialidade todos os jornais generalistas, diários ou semanários, têm artigos de opinião sobre matéria económica. Além disso todos têm cadernos, separatas, revistas, “vulgatas ”etc sobre o tema. A profusão de textos sobre economia é enorme. Mas nem por isso estamos mais elucidados sobre o porvir económico. Porque os articulistas ao puxarem a brasa à sua sardinha partidária tornam os artigos contraditórios entre si. Ficamos sem saber para que lado nos havemos de voltar, afogados, que ficamos, num mar de chavões ou presos numa Babel de siglas. Números como os do desemprego ou do crescimento económico que me parecem objetivos têm da parte desses analistas apreciações múltiplas fazendo jus à velha máxima “os números quando bem torturados confessam sempre”. Veja-se o caso mais presente: os partidos que são hoje oposição, eram poder quando Victor Gaspar anunciou “ a brutal carga de impostos”, falam agora da “caça ao contribuinte”. Já não sei se é abusar da memória se é abusar da paciência.
Outra perplexidade que se me coloca é a seguinte: a crise Portuguesa “é-nos vendida” como consequência dos gastos sem controle, do esbanjamento com que diversos Governos encararam a governação o que provocou uma grande dívida pública. Essa dívida pública causaria receio nos mercados que por sua vez puxavam os juros para taxas incomportáveis. A dívida pública era, pois, a razão do pedido de ajuda externa. Ora chegados ao fim da intervenção da Troika com uma taxa de desemprego alarmante, com uma “brutal Carga de impostos”, com cortes diretos nos salários e pensões, depois de termos vendido os anéis do Estado, REN, EDP, ANA, CTT, etc e apesar de todo este sinistro algoritmo, a dívida em vez de diminuir, como era pretendido, aumentou. Pareceu-me então que o procedimento adoptado teria sido um “frango” em matéria económica. Mas ao ouvir, da boca de reputados economistas, que o País estava muito melhor tenho de reconhecer que qualquer coisa me escapa, qualquer coisa que dê sentido lógico à apreciação de tão doutas pessoas. A comparação também pode ser feita entre o início da crise e os tempos de hoje, já com um ano de governo Costa. Costa, com a reposição dos salários e pensões e com a reversão de algumas medidas do anterior Governo, pôs fim ou atenuou a crispação política e o País vive hoje uma espécie de diástole social. Isto, para mim, é um País melhor porque para mim um País são as suas gentes e essas andam inegàvelmente mais descontraídas. Mas para aqueles para quem um País é a análise fria dos números, não, para esses o País não devia estar melhor. Mas dizem que sim, que temos acesso aos mercados, que temos dinheiro a juros aceitáveis, etc. Então que me expliquem como é que, estando a produzir menos, com dívida mais elevada e já não possuindo os activos importantes, que entretanto vendemos, estamos melhor? Como é que nesta situação temos mais e melhor crédito?

Por Manuel Vaz Pires

Festival de Artes e Saberes da 3.ª idade

Qua, 02/11/2016 - 10:00


Olá familiazinha! fez no passado sábado, dia 29 de Outubro, 27 anos que abri o microfone e o coração e me transformei de Nicolau Sernadela em tio João. Nesse dia nunca imaginei no que isto ia a dar! Mas afinal, como é que um programa de rádio aguenta tantos anos no ar? Porque da rádio fizemos Família! Não falamos com a boca. Não escutamos com os ouvidos. Falamos e escutamos com o coração! Diz o povo, quem vê caras não vê corações; nós não vemos as caras, mas sentimos os corações! Durante 27 anos vivemos diariamente um dia novo. Começamos o dia a animar o nosso povo.

Feiras de vaidades

Qua, 02/11/2016 - 09:54


Pregar no deserto foi sorte que acompanhou profetas, nesta nossa civilização, longos milénios hesitante entre semear a solidariedade ou, pelo contrário, manter a selva predatória, sempre com renovadas ameaças, a ressurgir do sangue derramado na disputa de míseras migalhas do tempo.

O grande líder eleva os outros

Informo desde já que vou escrever sobre uma pessoa que para mim é uma referência profissional e à qual, felizmente, já tive a oportunidade de lhe poder transmitir este meu sentimento de admiração.
Essa pessoa é  Fernando Gomes, Presidente da Federação Portuguesa de Futebol, membro do Comité Executivo da UEFA, ex-presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, ex-Administrador do FC Porto – Futebol SAD, ex-Administrador do FC Porto – Basquetebol SAD, ex-Director Geral do FC Porto, ex-Presidente da Liga de Clubes de Basquetebol e lendário basquetebolista do FC Porto.
Fernando Gomes é um verdadeiro homem do desporto, um ex-atleta de grande sucesso, um dos mais experientes, capazes e competentes lideres desportivos que Portugal já viu. Tal como fazia nas equipas de basquetebol onde era o “base” ele destaca-se no dirigismo desportivo como um grande líder mas com a particularidade de ser um líder discreto, apesar de nunca lhe ter faltado firmeza.
O lendário treinador de Futebol Americano, Vince Lombardi, diz que os lideres não nascem, eles fazem-se. E na minha modesta opinião ele tem toda a razão, no caso de Fernando Gomes ele fez-se um líder dentro do campo de basquetebol e fez o "transfer" dessas suas competências de liderança para o mundo da gestão desportiva, onde desde 1992 se tem afirmado como um dos mais competentes gestores desportivos que Portugal já teve.
O FC Porto venceu a Champions League em 2004 e Portugal venceu o Campeonato Europeu de Futebol em 2016, o único e verdadeiro denominador comum entre estes dois grandes feitos desportivos chama-se Fernando Gomes, pois ele integrava em 2003/04 o Conselho de Administração do FC Porto – Futebol SAD e em 2016 ele era e é o Presidente da Federação Portuguesa de Futebol. Parece coincidência mas não é, o grande líder contagia e eleva os outros, sendo que é impossível alguém ser um grande líder se não tiver credibilidade, carácter, integridade, competência, visão e capacidade para motivar os outros. Os maiores especialistas mundiais em liderança dizem que a liderança não depende da posição ou do cargo desempenhado na organização, mas sim da relação que se consegue gerar com os outros, a liderança é pessoal e está fundamentalmente relacionada com as crenças, valores e os princípios do individuo.
Fernando Gomes lidera através do exemplo e recentemente esteve no distrito de Bragança onde visitou a cidade de Mirandela, a cidade de Bragança e a Associação de Futebol de Bragança. Ele vai ao terreno, ele quer conhecer a realidade local porque ele sabe que na gestão do desporto não há receitas milagrosas e cada localidade ou região tem especificidades muito próprias e que importa conhecer bem para traçar estratégias adequadas ao contexto.
O lendário Nelson Mandela tem uma frase muito boa e que demonstra bastante bem qual é o tipo de liderança que Fernando Gomes aplica e que ajuda a elevar todos os que com ele colaboram: “é melhor liderar a partir da retaguarda e colocar outros à frente, especialmente quando estamos a celebrar uma vitória por algo de muito bom que aconteceu. Mas deves tomar a linha da frente quando há perigo”. Fernando Gomes é um grande líder mas é discreto, não aparece muito nos media, não fala muito, não é muito de dar nas vistas, mas se um dia houver problemas, ninguém duvide que ele vai se o primeiro a dar o “corpo às balas” pois na minha opinião ele possui duas características importantes em qualquer grande líder, é um homem de coragem e que assume as próprias responsabilidades.
Para finalizar deixo-vos uma frase sobre liderança, com cerca de 2000 anos, e que diz o seguinte:“um exército de cervos comandado por um leão é muito mais temível do que um exército de leões comandado por um cervo”.

 

 

 

 

 

Escrito por Paulo Jorge Araújo - Técnico Superior de Desporto, Licenciado em Ciências do Desporto pelo IPB e Especialista em Gestão Desportiva pela UP