Município de Freixo de Espada à Cinta quer voltar a colocar a vila no calendário nacional do motocross

Ter, 01/11/2022 - 18:18


Desde 2018 que a vila do sul do distrito deixou de receber etapas do Campeonato Nacional. O actual executivo quer voltar a dinamizar a Pista Multiusos e uma competição que mexia com a economia do concelho.

Paulo Alberto, Luís Outeiro, Sandro Peixe, Luís Correia, entre outros tantos pilotos, considerados a nata do motocross nacional, passaram vezes sem conta pela Pista Multiusos de Freixo-de-Espada à Cinta, que até 2018 recebeu o Campeonato Nacional da modalidade.

Os aficionados vinham de vários pontos do país e também de Espanha. A hotelaria e a restauração tinham lotação esgotada. Freixo de Espada à Cinta era mesmo considerada a capital nordestina do motocross.

Desde 2018 que os motores deixaram de se ouvir na pacata vila manuelina e, agora, o executivo liderado por Nuno Ferreira quer voltar a colocar Freixo no mapa do motocross. “Nesse momento o executivo camarário está a trabalhar em parceria para conseguir devolver aquilo que, num passado bem recente, alguns deixaram fugir. A pista de Freixo-de-Espada à Cinta era considera a segunda melhor a nível nacional, depois da de Águeda. Passaram por Freixo os melhor pilotos nacionais e internacionais”, destacou o presidente do município.

Nuno Ferreira considera importante recuperar as provas, principalmente as etapas do Campeonato Nacional, pois davam visibilidade a Freixo e a economia da vila agradecia. “Alguém deixou fugir um evento desta envergadura que estimulava a economia local, com a restauração lotada, a hotelaria lotada, as bombas de gasolina com um fluxo enorme devido aos pilotos e aos aficionados do motocross que vinham a Freixo. De referir que durante o ano vários pilotos vinham treinar à pista multiusos. Tudo isso se perdeu e foi abandonado. Estamos a trabalhar para devolver o motocross a Freixo e voltarmos a ter as provas do nacional”, garantiu.

No entanto, o processo está a revelar-se complicado pois a ausência de Freixo do calendário nacional, nestes seis anos, deixou vaga para outras localidades entrarem na organização das provas. “Quando tomámos posse já estava a decorrer a programação do nacional motocross. Estamos a estabelecer contactos com a federação para podermos participar já num futuro próximo e fazer parte do calendário nacional. Nada está relacionado com condições financeiras até porque a etapa do nacional pagava-se por si só”, afirmou o autarca.

Nuno Ferreira admite que “no próximo ano será difícil” voltar a trazer o Campeonato Nacional para Freixo de Espada à Cinta, mas assegura que estão a ser feitos todos os esforços para que regresse o mais breve possível. “Nós queremos voltar a trazer o motocross, mas queremos que volte nas condições que tinha no passado, nomeadamente termos a prova de abertura. Caso não consigamos ter a prova de abertura pelo menos vamos trazer uma etapa do campeonato. Vamos dar passos seguros para que o regresso do motocross não seja uma miragem mas uma realidade”.

A pista multiusos, em tempos considerada a segunda melhor do país, ficou ao abandono e Nuno Ferreira adianta que o espaço terá quer ser intervencionado para voltar a receber as provas. “O espaço pura e simplesmente ficou ao abandono, por parte de quem estava a lidar o município e a União de Freguesias de Freixo e Mazouco, e terá de ser requalificado, no sentido de fazer a sua limpeza e dar-lhe condições condignas, que outrora já teve. Voltar a colocar a torre funcional, que demorou a ser construída com muito empenho e trabalho, na altura pelo professor Raul Ferreira, que presidia a união de freguesias, limpar e reestruturar”.

Também por Freixo de Espada à Cinta já passaram jovens talentos internacionais. Em 2012, a vila freixenista recebeu o Campeonato Europeu de Motocross em iniciados.

 

Jornalista: 
Susana Madureira