Confinar e desconfinar (entre o oito e o oitenta)

O confinamento, total ou parcial, sendo uma arma poderosa contra a Covid 19, tão mais eficaz, quanto mais rigoroso, não é, contudo, a solução milagrosa nem pode ser a única nesta guerrilha contra a pandemia. Imaginemos que havia uma estrada que, subitamente, começou a ser inundada, por consecutivas e frequentes enxurradas provocando enormes prejuízos, imensos feridos e muitos mortos. Obviamente que a primeira e mais segura medida, imediata é a interdição da mesma. Total quando a violência e frequência dos acidentes for elevada, parcial quando houver “apenas” um risco moderado. Esta proibição resulta, sem dúvida, numa diminuição dos incidentes e seria suficiente se houvesse a certeza que, o fenómeno natural era passageiro. Sendo assim não seria preciso fazer mais nada. Mas se estas inundações se mantiverem, no futuro, mais ou menos frequentes, mais ou menos violentas, para além da interdição será necessário fazer muros de contenção para controlar o fenómeno natural. O problema com a Covid está precisamente aí. Por maior e mais restritivo que seja o confinamento não será suficiente, mesmo com a ajuda da vacina, para erradicar o agente patogénico do meio de nós. Depois do mais violento e restritivo confinamento o vírus não desaparece. Vai continuar. Com mais ou menos variantes, com maior ou menor incidência mas vai continuar a andar por aí, vai continuar a infetar, causar doenças e mortes. A ideia de manter a reclusão até se atingir um valor suficientemente baixo de contaminações e, se possível reduzir o número de mortes residual, ou mesmo levá-los a zero, é tentadora, parece acertada, mas não pode ser vista apenas em valores absolutos. Por duas razões. Não é possível impedi-las no futuro e, por outro lado, queiramos ou não, há outros doentes graves que o combate à Covid relegou para segundo plano e, entre estes também há mortes, algumas delas provocadas pelo isolamento. Diretamente. Mas também haverá, no futuro, falecimentos por doenças de agora que não foram tratadas de todo, ou de modo adequado. Mas também como resultado da paralisação da economia, da atividade produtiva e social. Sendo útil e necessário, é necessário saber dosear o confinamento e, igualmente, o desconfinamento. Tal como um garrote que sendo eficaz na contenção da hemorragia, não pode exagerar na intensidade e no tempo, sob risco de provocar a perda do membro que se pretende salvar. A cada momento é necessário ponderar benefícios e prejuízos de cada uma das ações. Não podem ser ações baseadas em indicadores de um dos lados apenas. É certo que o facto de as ações só começarem a produzir efeitos, duas semanas depois poderia complicar a decisão. Felizmente há indicadores que dão, antecipadamente, uma indicação para o futuro. É o caso do Rt que deveria ter sido levado em boa conta antes do desconfinamento natalício. E é bom reconhecer que o vírus não tem qualquer convicção moral. Por isso é absurdo pautar a ação pelo calendário religioso. Finalmente, não posso deixar de referir que tendo estado, esta semana, em Vila-Flor a acompanhar um familiar na ação de vacinação dois aspetos. O primeiro é a humanidade, profissionalismo e cuidado de todo o pessoal do Centro de Saúde. O segundo é a completa incompreensão pela teimosia, insensata e incompreensível de levar a cabo esta complexa operação nas exíguas instalações da unidade de saúde em vez de a fazer num pavilhão que, sei de fonte segura, o senhor Presidente da Câmara disponibilizou, e bem!

José Mário Leite