PUB.

NÓS TRASMONTANOS, SEFARDITAS E MARRANOS Francisco Henriques Nunes, o Raba (1686-10.06 – 1742-08-13)

PUB.

Domingo, 13 de Dezembro de 1637, terá sido o dia mais agitado da história de Quintela de Lampaças. Nesse dia, na igreja, à hora da missa paroquial, foram ali presas e algemadas 14 pessoas, por guardas vindos de Bragança, sob as ordens do comissário do santo ofício, Lucas Freire de Andrade. Trazia ainda mais 6 mandatos de prisão, emanados da inquisição de Coimbra, mas os citados tinham fugido nos dias anteriores. Eram todos acusados de ter participado na celebração de uma missa judaica. (1)
Um dos prisioneiros chamava-se António Rodrigues, o Raba, de alcunha. Nascera em Bragança e tinha o ofício de sapateiro. Fora casar em Quintela de Lampaças, com Maria Pereira, também filha de um sapateiro, a qual foi levada para as masmorras de Coimbra, na mesma ocasião, contando 36 anos. Ali permaneceram quase um ano, saindo ambos condenados em confisco de bens, cárcere e hábito penitencial perpétuo.
Sapateiro era também o seu pai, Francisco Rodrigues, o primeiro que encontramos com a alcunha de Raba. Morava em Bragança e era casado com uma Florença de Carrião. Também ela sofreu nos cárceres da inquisição de Coimbra, saindo condenada nas mesmas penas.
E antes dela, ali penaram os pais de Florença: João Fernandes e Ana Furtado. Aquele havia já conhecido as celas da inquisição de Valladolid, onde foi preso em 1580. Ambos se foram apresentar espontaneamente na inquisição de Coimbra, naquele movimento de centenas de cristãos-novos brigantinos que, ao findar do século de 500, “entupiram” e quase paralisaram o mesmo tribunal, em consequência de uma vaga de prisões nunca antes vista e “que redundou na grande farsa dos falsários de Bragança”. (2) Depois de apresentada (em 17.10.1595) e registadas as suas declarações, Ana foi mandada para sua casa e nela veio a falecer em 11 de Abril de 1599. O processo, porém continuou e ela foi sentenciada no auto de fé de 6 de Maio de 1601.
Pelas mesmas horríveis celas passaram então 5 irmãos de Ana Furtado e um deles saiu no auto de fé com “hábito penitencial perpétuo, diferenciado com insígnias de fogo, sem remissão, carocha com rótulo de falsário na cabeça, açoitado publicamente e degredo para as galés”. Outro dos irmãos (Cristóvão da Paz Furtado) faleceu no cárcere. (3) E o mesmo aconteceu também ao pai de Ana, chamado Henrique Afonso cuja morte ocorreu em 3.4.1593, sendo a sua sentença lida no auto público da fé celebrado em 27 de Junho daquele ano, na forma seguinte:
- Excomunhão maior, confisco de bens, os seus ossos desenterrados e feitos em pó e cinza, relaxada a sua estátua à justiça secular.
Florença Carrião, mulher deste e mãe de Ana, também ali hospedada, suicidou-se em 18-07-1598. Os seus ossos foram também desenterrados, metidos em um caixão, levados ao auto da fé, juntamente com a sua “estátua” para serem queimados. Resulta assim que a história dos ascendentes da família Raba é um encadear de prisões e mortes nas cadeias da inquisição. Resta acrescentar que os patriarcas, os pais de Henrique Afonso terão sido batizados em pé recebendo os nomes cristãos de Pedro Afonso e Catarina Gonçalves.
Voltemos a Quintela de Lampaças. Já ali não moram o António Raba e a Maria Pereira. Depois que regressaram das cadeias de Coimbra. Foram estabelecer casa em Bragança onde a multidão de sambenitados não os tornaria tão estranhos. E foi em Bragança que lhe nasceram os filhos: 2 machos e 3 fêmeas. Um deles foi batizado com o nome de Francisco Nunes. E é este ramo da família Raba que vamos seguir. Desde logo, digamos que Francisco Nunes era sapateiro, como seu pai e seu avô. E também ele foi preso pela inquisição de Coimbra, e também ele acabou por ali falecer, em 24 de Julho de 1662. Não completou sequer um mês de vida naquelas húmidas e abafadas masmorras. E agora, vejam o estranho facto, bem significativo da metódica atuação inquisitorial: o processo de Francisco só foi encerrado mais de 22 anos após a sua morte, sendo a sentença a lida no auto da fé de 4 de Fevereiro de 1685! Francisco era casado com Isabel Rodrigues, filha de Mateus da Costa e Ana Furtado. Também ela penou nos mesmos cárceres por quase dois anos.
O mesmo aconteceu ao filho destes, José Henriques Nunes, tendeiro de profissão, que foi preso aos 48 anos, em 4 de Dezembro de 1705, saindo penitenciado em Julho do ano seguinte. Surgiram depois mais acusações contra ele e voltou a ser preso, por ter feito confissão diminuta, sendo condenado em cárcere e hábito no auto de fé de 21 de Junho de 1711.
José Nunes Raba era casado com uma prima direita chamada Maria Antónia, filha de Maria da Costa e José Rodrigues, casualmente nascida em Monforte de Lemos, Castela, por onde seus pais andariam fugidos da inquisição. Tal como o marido, Maria Antónia foi alvo de um primeiro processo, instaurado em 1705, no qual acabou condenada em 7 anos de degredo para Angola. Tentando certamente esquivar-se a cumprir o degredo, foi novamente encarcerada e instaurado um segundo processo. Saiu penitenciada em “cárcere e hábito diferenciado com insígnias de fogo, perpétuo, sem remissão e cumprirá o degredo a que estava condenada no primeiro processo”.
Em 6 de Outubro de 1686, em Bragança, nasceu um filho de José Henriques e Maria Antónia que foi batizado com o nome de Francisco Henriques Nunes. Seguiu a profissão do pai e, aos 23 anos, sendo ainda solteiro, foi preso pela inquisição. De regresso a Bragança, casaria com Inês da Costa, da qual ficou viúvo. Andava já nos 42 anos quando, em 9 de Fevereiro de 1728, casou com Luísa Maria Bernarda, 26 anos mais nova do que ele. E estes foram os pais da ilustre geração dos Raba que, fugidos de Portugal, perseguidos pela inquisição, construíram em França um verdadeiro império, cuja cabeça era o famoso palácio que eles construíram em Talence, nos arredores de Bordéus. Nele se albergaram o imperador Napoleão e Josephine, na véspera das invasões francesas. Nele se instalou o kommandatur nazi na segunda guerra mundial e ainda hoje funciona como Hotel Raba, classificado com 4 estrelas.
Francisco Nunes, porém, não acompanhou a mulher e os filhos nesta epopeia. Faleceu em Bragança em 1742 e foi sepultado na igreja de Santa Maria. (4)

NOTAS e BIBLIOGRAFIA.
1-ANDRADE e GUIMARÃES – Nas Rotas dos Marranos de Trás-os-Montes, Âncora Editora, Lisboa, 2013.
2- MEA, Elvira Cunha de Azevedo – O Judaísmo no Século XX, A Fénix renascida em Trás-os-Montes, in: Actas do Congresso Histórico dos 450 anos da Fundação da Diocese de Bragança, p.715. Da mesma autora ver: A Inquisição de Coimbra no Século XVI. A Instituição, os Homens e a Sociedade. Porto, 1997.
3-IDEM, pº 830, de Francisco Rodrigues; pº 6101, de Cristóvão da Paz Furtado.
5. Registos paroquiais de Bragança - Livro de Óbitos  da Igreja Sana Maria 1742: - Aos 13 Agosto  de 1742 faleceu Francisco Henriques , mercador, natural e morador em Bragança na  Rua Direita  de 56 anos,  com todos os sacramentos necessários para a sua salvação  . Não fez testamento, está sepultado nesta Colegiada  Igreja de Santa Maria  onde era freguês . O padre Francisco Xavier da Silva.

Por António Júlio Andrade / Maria Fernanda Guimarães