O colapso da Humanidade que se anuncia

Muito embora o terceiro milénio já conte 20 anos, só agora se evidenciam condições para uma mais instante reflexão, que não compete apenas a políticos, filósofos ou cientistas porquanto diz respeito a todos os cidadãos do mundo.

Durante milénios a Humanidade cresceu, guerreou e revolveu a terra livremente. Presentemente, porém, está confrontada com factos preocupantes nunca antes experimentados.

Receia-se, por isso, que esteja a caminho do colapso provocado por ela própria, também por causas que a ultrapassam ou por ambas em conjugação, ainda que o planeta que a hospeda não se desvie, um milímetro que seja, da sua órbita.

Até há relativamente pouco tempo temia-se que uma eventual guerra nuclear generalizada que, felizmente, até hoje não aconteceu, pudesse erradicar a vida da face da Terra.

Ainda que esta ameaça não haja sido esconjurada, as atenções voltam-se agora para as já perceptíveis alterações climáticas que poderão redundar numa desgraça planetária, o que explica que estejam a ser tratadas como se de um espectáculo global se tratasse pelos esconsos poderes mundiais que delas se aproveitam, mistificando causas e efeitos.

Os grandes ciclos climáticos que a história do planeta regista e que provocaram alterações radicais, deveram-se a fenómenos terrestres e astronómicos relevantes cujo controle não está ao alcance dos homens.

Em contrapartida, a Humanidade produziu ferramentas e desenvolveu práticas igualmente capazes de alterar drasticamente o habitat planetário, como sejam o crescimento populacional incontrolado, o envenenamento dos ares e das águas e a transfiguração irrecuperável da crusta terrestre, destabilizando equilíbrios estabelecidos durante milénios, para não falar nas angustiantes armas de destruição massiva e nas malignas mutações genéticas laboratoriais.

Acresce que os recursos vitais que a Mãe Terra faculta são finitos, pelo que o seu usufruto desregrado, embora passível de ser minorado, conduzirá, inevitavelmente, ao colapso do sistema.

Mas não é apenas no plano físico que este drama dantesco se desenrola. Acontece igualmente no domínio civilizacional e moral quando se projecta um novo homem, robotizado, sem sentimentos nem ética e passível de ser comandado sabe-se lá por quem e com que fins.

Assustadores são a globalização desumanizante, a mundialização escravizante, as ideologias degradantes da dignidade humana e a idealizada religião mundial única, que exclui a espiritualidade e a bondade originais.

Tudo supervisionado pelo projectado Governo Mundial autoritário, cúpula da denominada Nova Ordem apadrinhada por personalidades suspeitosas, que ameaça aniquilar estados, pátrias e nações e que não se coibirá de chacinar milhões de seres humanos para tornar viável a sua nova Humanidade sem humanismo.

É o totalitarismo dos totalitarismos, ainda pior que o marxismo-leninismo ou o nacional-socialismo de má memória.

Não nos iludamos, portanto: a mera redução das emissões de carbono e de metano, ou mesmo um novo sistema energético, já não nos poderão salvar.

Talvez só mesmo a profetizada nova vinda de Jesus Cristo, em que muitos acreditam piamente.

Isso é outra história, porém

A todos desejo um feliz Novo Ano.

 

Vale de Salgueiro, 31 de Dezembro de 2019

 

Este texto não se conforma com o novo Acordo Ortográfico.

Henrique Pedro