PUB.

Agricultores transmontanos vão discutir gestão das áreas protegidas com Secretária de Estado

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Qua, 04/01/2017 - 14:13


Alguns agricultores do concelho de Bragança e representantes da associação Rionor vão reunir-se com a secretária de Estado do Ordenamento do Território e de Conservação da Natureza, no próximo dia 11.

Nós trasmontanos, sefarditas e marranos - Domingos (Jacob) Lopes Oliveira (1679 – 1720)

Os ascendentes de Domingos Lopes viveram em Vila Flor, onde eram conhecidos pela alcunha de Vinagre e cuja história na inquisição ficou registada em muitos processos. Domingos, no entanto, nasceu em Mirandela, terra para onde seus pais se haviam mudado. O pai, João Lopes, o Regalado, de alcunha, apresentou-se na inquisição de Coimbra em 1665, sendo ainda solteiro. Foi chamado 20 anos depois e sentenciado em penas espirituais. A mãe, Leonor de Oliveira, foi presa pelo mesmo tribunal e saiu no auto de fé de 1713, condenada em cárcere e hábito.(1)
Da mesma família dos Vinagre de Vila Flor descendia sua mulher, Luísa da Costa, ou Luísa de Oliveira,(2) nascida já em Bragança, terra para onde transitaram os seus pais, idos de Mirandela.
O ofício de tecelão de seda aprendeu-o o nosso biografado com o mestre Manuel da Costa, em Bragança, em “curso” que durava um mínimo de 4 anos. E terá sido também o dito mestre que o catequisou na lei de Moisés, conforme sua própria confissão. E sucedendo-se vagas de prisões em Bragança na primeira década do século XVIII, nelas foram arrebanhados vários membros da família Vinagre-Costa, nomeadamente a mulher de Domingos, Luísa da Costa, a sua irmã, Maria de Oliveira e o marido desta, Baltasar da Costa,(3) irmão de Luísa.
Obviamente que a estas prisões corresponderam vagas de fugas para o estrangeiro. Em uma dessas vagas de fugitivos contou-se Domingos Lopes, juntamente com seu tio materno Manuel de Oliveira, um filho deste e do mesmo nome, e dois companheiros oficiais tecelões: Francisco de Sá e José Álvares Galinha.
Deste grupo de fugitivos apenas o tio de Domingos levaria uma porção de lenços de seda para vender, com a rota de fuga a passar pelas seguintes localidades de Espanha: Pedralva, Benavente, Burgos, Palencia e Zaragoça onde permaneceu algum tempo antes de se internar em França.
Neste país, Domingos Lopes foi ter a Bayonne e quando chegou ainda levava 120 mil réis, tendo a viagem durado 24 ou 25 dias. À espera dele o do tio e do primo estava já um outro primo, chamado Diogo, filho do mesmo tio Manuel de Oliveira e outro moço de Bragança que ele identificou apenas pelo nome de Isaac.
Que razões moviam esta gente a sair da sua terra? O medo de serem presos? O desejo de se fazer circuncidar, gesto essencial para se tornar judeu? Ou mais prosaicamente a procura de novas oportunidades de negócio?
No processo de Domingos encontramos díspares respostas. De uma vez disse que abandonou Bragança pelas vexações que lhe faziam obrigando-o a alojar soldados em sua casa. De outra vez disse que foi a França com a ideia única de se fazer circuncidar “e só para esse fim se fora deste reino”. Há nesta confissão uma clara vontade de afirmação de judaísmo.
Facto é que “para observar bem a lei de Moisés lhe era necessário que fosse circuncidado” e para isso Domingos Lopes, acompanhado de Pero Lopes, se dirigiu a La Bastide, a casa de um francês chamado Sanzit que o circuncidou “e ele ofereceu dois soldos a Deus do Céu pela saúde dos que lhe faziam mercê” e passou a professar publicamente o judaísmo indo “à congrega aonde vestia uma véstea de lembrança, com 4 fios da mesma cor nas pontas, chamada tallit, que punha nos ombros e umas correias que cingia nos braços chamadas tefilins, com as quais insígnias todos na congrega tinham obrigação de rezar”. E em afirmação da nova identidade, Domingos tomou o nome de Jacob.
Facilmente se integraria Jacob na “nação sefardita” de Bayonne, constituída por cerca de 150 “judeus”, dirigida por “3 parnas” e em cuja sinagoga havia um mestre da lei chamado Jacob de Campos. A integração seria facilitada pela existência de gente sua conhecida de Mirandela, Bragança, e Vila Flor, com destaque para a família de Francisco de Sá Carranca, assaz numerosa.
No entanto, a permanência de Domingos em Bayonne foi relativamente curta pois logo se meteu por S. Jean de Luz e Peryrorade, terra onde encontrou as famílias de Francisco Lopes Videira, mercador, originário de Chacim e a de Gabriel Rodrigues. Dirigiu-se depois a Bordéus, explicando que o fez por se tratar de uma terra maior e que oferecia melhores condições de vida. E a vida ganhava-a ele trabalhando em um tear que ali montou onde tecia lenços de seda.
Andaria por França uns 8 anos, sempre se afirmando como judeu e em todas as terras frequentando as sinagogas e congregas. Mostrou conhecimento da linha teológica de Menasseh ben Israel pois seguia os Dinim (ritual compendium) e as ideias expressas no Tratado da Ressurreição dos Mortos, do mesmo autor. Quando regressou a Bragança trazia um Tefillah (livro quotidiano de rezas)(4) e um Calendário das festividades mosaicas, no que mostra o seu modo de estar judaico.
Regressaria ele a Bragança com o objetivo de levar sua mulher para França? Ou “com o ânimo de abraçar a lei de Cristo”? Em qual das respostas havemos de acreditar? Certamente na primeira.
Facto é que, chegado a Portugal, se dirigiu a Coimbra e foi apresentar-se no tribunal da inquisição, em 3.11.1716. Pensaria certamente que, assim, ficava mais “protegido” e com maior liberdade de movimentos para governar a sua vida. As coisas não correram como ele pensava já que, entretanto, o mesmo tribunal tinha aberto uma ficha em seu nome e nela foram registadas muitas denúncias contra ele.(5) De modo que, o mesmo tribunal, em vez de o mandar para casa, ordenou, em 30.12.1717, que fosse preso e “metido na casa do inferno”, o que aconteceu em 24 de Janeiro seguinte. Duas semanas depois, foi transferido para a inquisição de Lisboa.
Começava a subida ao calvário para este homem de 37 anos. Torna-se impossível resumir aqui as mais de 1200 páginas do seu processo. Nele se mostra a torpeza dos “bufos” que meteram com ele no cárcere. Nele se contam os jejuns que lhe viram fazer na cadeia. Nele se registam as infindas e manhosas perguntas que lhe fizeram “os homens de manga e consciência larga”, expressão por ele usada quando se referia aos inquisidores. Imagine-se: foi submetido a mais de 20 “exames”!
No meio das suas contradições, foram chamados teólogos especialistas (“qualificadores”) para o aconselhar e levar ao verdadeiro caminho da religião cristã. Trabalho inglório, pois ele dava respostas desarmantes, dizendo que a lei de Deus e a lei de Cristo eram a mesma lei, que os mandamentos da igreja eram os mesmos que no monte Sinai foram escritos a fogo nas “tábuas da lei”. A diferença é que a lei de Moisés tinha muitos mais preceitos e era muito mais difícil de seguir do que a de Cristo que fora feita para aligeirar aquela. E que era obrigação de cada um seguir a sua própria consciência. Assim, ele sentia-se na obrigação de maiores sacrifícios e por isso tentava cumprir a “lei de Deus limpa e clara que Deus deu a Moisés”.
Choviam as perguntas incisivas dos inquisidores e Jacob sentia-se apertado no labirinto em que se metera. Afinal em que lei vivia? Vejam a resposta:
— Disse que a diferença que teve em largar a lei de Moisés e tornar a abraçar a de Cristo foi o fazer em França cerimónias judaicas e rezar orações da dita lei e não o fazer depois que veio de França (…) E que em Portugal e Espanha não cumpria os tais preceitos mas esperava alcançar perdão, por não ter liberdade para o fazer.
É uma resposta bem significativa da condição marrana, da vida entre cristianismo e o judaísmo. Mas os marranos não tinham lugar na igreja nem na sinagoga. Por isso mesmo eles começaram a reclamar o direito natural à liberdade de consciência. E também esta reclamação encontramos várias vezes referida no processo de Domingos Lopes, aliás, Jacob Lopes, conforme sua própria assinatura.
E num ato final de desespero, depois de várias confissões e revogações, sentindo-se pisar o campo da lã (era um sítio de Lisboa, junto ao rio Tejo, onde queimavam os relaxados), pedia que lhe dessem a liberdade.
Foi queimado no auto da fé de Lisboa de 16.6.1720. Gostaríamos de terminar com uma belíssima e extensa oração judaica que ele recitou para os inquisidores e que termina com estas palavras:

My Dio e Dio de nuestros padres
Nos encomendo sobre palabra de lei
Hace a saborear fuego
Sea voluntad delante de ti, Adonay
My Dio e Dio de nuestros padres.

NOTAS:
1 - ANTT, inq. Coimbra, pº 2880, de João Lopes, Regalado; pº 7682, de Leonor de Oliveira.
2 - IDEM, pº 8405, de Luísa da Costa ou Luísa de Oliveira.
3 - IDEM, pº 8859, de Maria de Oliveira; pº3230, de Baltasar da Costa.
4 - ANDRADE, Júlio; GUIMARÃES, Fernanda; VIEIRA, Carla – Na Rota dos Judeus – Celorico da Beira. Edição Câmara Municipal de Celorico da Beira, pp.  163 a 182.
5 - IDEM, inq. Lisboa, pº 1764, de Domingos Lopes.

Por António Júlio Andrade / Maria Fernanda Guimarães
 

Vendavais - Despedidas e desejos

Toda a separação é uma despedida ainda que temporária e quando queremos bem deixamos sempre um desejo na esperança de que se concretize. Mas nem sempre nos despedimos de uma pessoa mais ou menos chegada, mas o desejo, esse sempre fica no ar.
O ano que agora acaba talvez não tenha deixado a vontade de pronunciarmos muitos desejos para repetir, mas como nem tudo foi mau, algumas coisas gostaríamos que se repetissem dentro de algum tempo, outras, enfim, nem é bom falar delas.
Despedimo-nos de 2016 com a pompa e circunstância a que já estamos habituados e desejamos que o Ano Novo traga sempre o que mais falta nos faz, a nós e ao mundo. Desejamos paz, amor, saúde e felicidade. Alguns ainda desejam dinheiro, esse que tem andado tão arredio das bolsas de muitos portugueses, mas apesar do que se diz, esse é um desejo que ficará mesmo só como desejo. Os aumentos que estão anunciados e que entram agora em vigor vão levar muito dos pequenos aumentos que se apregoaram. Não se pode dar tudo, nem dar o que se não tem!
Mas o ano que passou trouxe muitos desgostos para todo o mundo. Foi demasiado cáustico. As mortes que se contabilizaram foram demasiadas e imerecidas. As catástrofes que se verificaram um pouco por todo o mundo deixaram rasto de miséria e morte como se fosse necessário carimbar o ano com um selo tão caro. Os tremores de terra que abanaram o planeta desde a América do Sul até à Europa e deixaram uma marca terrível na Itália, destruíram casas e sonhos e mataram quem não estava à espera que tamanha crueldade os atingisse. Os que ficaram de pé, despediram-se dos entes mais queridos e desejaram que nunca mais se repetissem estes arrepios que o planeta tem, como se quisesse avisar-nos de algo que não vai bem.
A Europa foi o grande alvo de ataques levados a cabo por gente que não sabe o que quer, não pensa pela sua cabeça e não age por vontade própria. De França à Alemanha, passando por outras localidades, as bombas estoiraram, destruíram e mataram em nome de algo que não se entende, não se percebe e não sei mesmo se existirá. Mata-se por matar como se daí resultasse uma satisfação enorme e a resolução de muitos problemas que possivelmente nem têm. O islamismo não defende este tipo de crimes e muitos não entendem por que se mata em nome do Islão. Porquê? Não têm outra justificação nem defesa. Se um dia Alá aparecesse à frente desses grupos, certamente que veriam o erro e talvez se arrependessem e arrepiassem caminho na malvadez que os envolve. Como se pode envolver uma rapariga de 9 anos com bombas e enviá-la para o meio de uma multidão para que se faça rebentar, matando uma dúzias à sua volta? Como se pode ser tão cruel? Que mentalidade retorcida deu a volta à cabeça desta rapariga? Que medos lhe incutiram? Esta nem teve tempo de se despedir e não deixou certamente nenhum desejo futuro.
Mas ao bater as doze badaladas todos nos despedimos do ano velho e desejámos paz para o ano novo. Ao despedirmo-nos de 2016 e talvez só porque era uma despedida, foi acordado o cessar-fogo na Síria, não sem antes milhares de sírios saírem da sua cidade e das suas casas, as que ainda se conservam de pé, e abandonarem o seu país por culpa dos que ainda acreditam que ao morrer vão ter ao seu dispor sete virgens num campo de leite e mel. Como é possível matar tantos milhares de pessoas, destruir uma enorme cidade que tantos anos levou a construir, derrubar uma civilização marcante para a História da humanidade em nome de … nada? Os desejos dos que destroem não serão nunca os mesmos dos que não querem essa destruição.
Por cá, mais terra a terra teremos de ser e, os desejos além da saúde e paz que todos queremos, sempre vamos acrescentando que não queremos voltar a ver por aqui os tais três reis que nada trouxeram para pagar a dívida que ainda perdura. Despedimo-nos deles e do ano que acabou e desejamos que não voltem. Enfim, haja saúde! Feliz Ano Novo.

FELIZ ANO NOVO

O notável, esfusiante, e até luxurioso escritor brasileiro Rubem Fonseca escreveu um livro de contos cujo título é o desta crónica. Ele nasceu em Juiz de Fora (Minas Gerais) filho de transmontanos, também escreve roteiros ou guiões para filmes, tendo recebido ao longo da sua fulgurante gesta literária fruto de anacromáticas giestas (romance, conto, novela, ensaio) inúmeros prémios, entre les o Camões no ano de 2003.
Não vou tecer considerações acerca de nunca (ao que sei) ter sido convidado a lavar os olhos, inebriar o nariz, afagar o palato durante alguns dias nas terras de onde o pai e mãe nasceram e viveram até rumarem para o Brasil, outros bem menos talentosos e conhecidos internacionalmente o têm sido, mas asseguro quão feliz tenho sido a ler as suas obras, melhor dito, na companhia de confrades (raros) o prazer redobra quando as releio.
Ora, o inventor, interventor e transgressor Rubem Fonseca se comove no descrever o Natal, em Feliz Ano Novo transmite-nos o contraste violento da passagem do ano finito para o alvorecer de novo ano onde se cruza o erotismo, o luxo, a marginalidade, a alegria, o choro, a abertura sonhadora, o abstruso desfecho da noite profanada pelo imprevisto do choque entre o limpo e o sujo, o perfume e o odor infecto, a obscena de sucção de quem nunca tinha provado tais e tantas iguarias.
Considerei refazer episódios de passagens de ano ocorridas no Clube de Bragança nos anos agora encerrados nos programas radiofónicos cujo descritor principal é a palavra Nostalgia, seria um pedaço de passado no presente, desisti pois de passado têm muito os leitores, de futuro todos temos pouco embora no meu caso concreto apresento propostas e trabalhos relativos ao futuro a troco de compensações pecuniárias.
Eu gostava de saber se os leitores apreciam as referências passadistas, as anotações ao presente, os «juízos» sobre o futuro que vou publicando, o respeito a eles devido obriga-me a pedir-lhe caso o entendam fazer-me chegar as suas opiniões porque as da minha lavra de sulcos irregulares leem-nas quinzena a quinzena. Mesmo só um comentário já será presente antecipadamente agradecido.
Entenda-se o pedido dentro do espírito da frontalidade transmontana, não o faço no sentido de assegurar boa reputação, mesmo no auge da labuta política nunca esfalfei o coração atrás de simpatias, antes pelo contrário, interessa-me isso sim auscultar todos quantos dispõem de tempo e paciência para lerem os opinadores os quais muitas vezes pinoteiam a essa mesma paciência.
O Mundo escancara portas e janelas a todo o momento, a curiosidade dos interessados é imediatamente satisfeita através da Internet, no entanto, errarei se colocar a ênfase no aparente ser tal escancarar, a toda a hora verificamos os dislates da propaganda, a imagem retocada de homens e mulheres a esconder pústulas materiais e morais, os discursos laudatórios relativos a gente sáfia, incompetente, capaz de todas as tropelias na procura de réditos sem custo de nenhuma espécie.
Ora, os leitores lembram-se de um senhor austríaco de nascimento chamado Karl Popper, o filósofo morreu em 1984, porém os seus livros continuam por aí, neles estão contidos avisos sobre as grandezas e misérias da sociedade aberta, e no futuro terá uma forma ainda mais aberta? Ou mais fechada? Completamente cerrada, parecendo aberta?
E, se o Ano Novo está a dar vagidos as interrogações relativas ao acima afirmado vão ganhando vetustez ano após ano levando à construção de obras de vários matizes impregnadas de incertezas e receios.
Acredito na possibilidade de gente bem pensante achar despropositado expender este género de dúvidas no NORDESTE INFORMATIVO, não me inquieta a possibilidade do despropósito, a notação elitista favorece a propagação do ruído informativo ofuscador da reflexão, sendo saliente o papel da imprensa regional no favorecimento da tão necessária reflexão porque cada número do jornal aguenta-se sobre a mesa de cada casa até à chegada de nova edição.
Secundando o parecer futurista (não o de Marinetti) do meu amigo Alexandre Manuel antigo jornalista, ora professor no ISCTE, os órgãos de comunicação social regionais além de desempenharem ingentes tarefas de «provedores» dos pobres, dos humilhados e ofendidos, podem e devem ser instrumentos de afirmação da cidadania democrática de primeira plana.
As nuvens carregadas prenunciam-se no horizonte neste Inverno de sol florido, aos leitores desejo Ano Novo repleto de prosperidades, ao Nordeste Informativo auguro Feliz Ano Novo recheado de alacridade para gáudio de todos nós. Ao seu Director peço a continuação da oferta de editoriais de espírito acutilante como até agora na defesa da sua Dama, a nossa, o Nordeste Transmontano. Não sou pobre no pedir, pois para mal basta assim cantava uma canadiana nos anos oitenta. Não é a Diana do Elvis.

Proteja-se do frio, cuide da sua saúde

Em situações de frio intenso são produzidas alterações no organismo que facilitam o aparecimento de doenças como a gripe e outras infeções respiratórias, bem como o agravamento das doenças crónicas, nomeadamente cardíacas e respiratórias.
De forma indireta, o frio pode também causar acidentes rodoviários, quedas devido ao gelo, incêndios e intoxicações por monóxido de carbono devido ao uso incorreto ou mau funcionamento de lareiras ou de outros sistemas de aquecimento. 

Novo ano com 365 dias para viver

Ter, 03/01/2017 - 09:46


Olá familiazinha, estamos a estrear o novo ano de 2017. Em cada ano que se inicia só temos algumas certezas: que o início do ano é dia 1 de Janeiro, o Carnaval numa terça e o Natal dia 25 de Dezembro entre outras. Mas também é cheio de incógnitas, nunca tendo a certeza de sair e voltar a entrar em nossas casas. Um acidente, um problema grave de saúde nosso ou de familiares pode alterar por completo a nossa vida. Por isso mesmo ao entrar cada ano o maior desejo das pessoas é bom ano cheio de saúde e paz.
 

À espera de milagres

Ter, 03/01/2017 - 09:45


As mudanças de ano, neste calendário do papa Gregório, são sempre marcadas por votos pios de prosperidade e felicidade, conceitos difusos que servem para que qualquer pobre de Cristo sinta um frémito fugaz de optimismo, para logo voltar à dolorosa via do absurdo, que Camus ou Kafka trouxeram, acutilante, à superfície do nosso quotidiano.