PUB.

FALTA A OUTRA METADE

O Nordeste tem geografia, tem história, tem impante património imaterial e material, tem gastronomia, tem, tem tudo se me é permitido tentar fazer graça lembrando o comércio do Senhor «tem tudo», o qual acabou por nada ter. A velha urbe bragançana tem grandes activos dizem os entendidos, dizemos nós bragançanos aos vizinhos e aos forasteiros, no entanto, se meditarmos entre o Ser e o Ter, basta lermos os editoriais do director do Nordeste para percebemos que falta a outra metade.
Acerca do Ser e do Ter relativamente à real/realidade Nordestina não vou agrafar palavras melancólicas ou vibrantes, seria redundante, repetitivo, debotado. Nós somos, dizemos que temos (e temos), porém a violenta quebra demográfica produziu e produz enorme passivo político a suscitar o riso cínico dos contabilistas dos votos pois valemos três deputados. Valem três deputados! Só? Então valem muito pouco…
Os decisores políticos do centrão comentam entre eles os queixumes das gentes do Nordeste e interrogam: então porque se queixam desta maneira se só elegem três deputados? Elas têm a ciência da certeza de possuírem as resoluções eficazes para os problemas existentes?
E, no meu parecer chegamos ao âmago da questão. Nós temos princípios pessoais pelos quais afirmamos a identidade e o território, isto é, que o Nordeste tem de receber forte desenvolvimento atingindo o grau de fixação e atracção de mulheres e homens em idade de ambicionarem construir mundos no Mundo. Mas como?
Os estudos de prospectiva não devem servir apenas como ornamento recitativo nas comunicações, a sua utilidade está no fornecer elementos de análise das incertezas críticas relativamente ao futuro no pressuposto de os decisores dela saberem retirar proveitos intensivos e extensivos às populações.
Estamos em ano de eleições autárquicas, não quero comentar as torções à coerência na preparação das listas, prefiro convidar os leitores a pensarem qual vai ser o seu papel no próximo prélio eleitoral. Vai ser o de papel de embrulho? Vão deixar-se embrulhar nas serapilheiras? Vão servir de laçarote?
Esta crónica está recheada, repleta de interrogações. Não é preciso beber-se água cristalina para o leitor entender quanta perplexidade carrego no tocante ao plano de trabalhos a conceber de molde a conseguir-se conceber a tal metade em falta. O Gôngora poderia apreciar o invólucro, nos tempos de hoje só apreciamos fórmulas tempestivas de rápido entendimento e persuasivas de exequíveis sem demoras e custos fora da especulação.
As interrogações defendem os decisores e defendem-me, a errância também nelas se escora. Outros articulistas (cf. Jorge Nunes e Manuel Vaz Pires) cada qual à sua maneira têm gasto tempo a pensar a cauda das negatividades que nos afligem, os artigos publicados trazendo à correnteza dos dias gente talentosa obrigada a exilar-se dado defender e às escondidas praticar a religião mosaica, se não contém a essência do problema ajudam a intuir quão urgente é estabelecerem-se prioridades no aproveitarmos a onda de desconfiança caída sobre instituições e elites políticas e financeiras para soltarmos não o grito de Ipiranga, sim o da afirmação inteligente recorrendo a capitais próprios (inteligência e vontade) independentemente dos desejos partidários e/ou de ocasião.
O sagaz Gato das Botas quando dedica tempo a ler alguns escritos da minha autoria meneia a cabeça e vai miando a chamar-me lírico, acredito na possibilidade de vários leitores secundarem o sagaz felino, respeito o epíteto, isso não significa acordo, muito menos resignação. Não detenho virtudes declamatórias, muito menos no deserto, continuarei a de vez em quando clamar contra a nossa inércia no que tange a esmigalhar os pedregulhos impeditivos do progresso dos nossos terrunhos numa lógica de racionalidade vinculada à fruição de uma existência normal, isto é: harmónica, onde cada qual possa usufruir a felicidade por ele pensada e conseguida. Obviamente, dentro do normativo da sã convivência e respeito pelos outros.
Será assim tão difícil? Se quisermos não é. Será que queremos? E, as interrogações continuam. Outros me precederam no interrogar sobre a causa das coisas. Muitos pagaram duramente a irreverência. Vivemos noutra época (Vade retro…), as indagações que formulo só apaziguam o autor e estão longe de suscitar quebras de sono aos detentores do poder, para meu pesar. O tom sombrio desta crónica procura apaziguar os meus receios ante o rodar do tempo. O tempo, esse grande escultor, escreveu Yourcenar.

Corações ao Alto

Muito boas tardes, bons olhos vos vejam minha estimada gente. Ora deixem-me lá sentar um pouco aqui junto a vós neste banco de pedra. Deixem-se estar que cabemos todos. Ah, que bem que se está aqui. Março, marçagão, tardes soalheiras à espreita, já começam a saber bem as sombras. Pois é… E então como vai a vida? Já se vêem as andorinhas? Sim senhor… Por falar nisso diz que “quem em Março asserenou tarde acordou, mas quem asserenou bem se achou”. Asserenar, fazer serão, pois claro. As noites a ficar mais compridas e o chupão a pedir menos lenha. Não tarda vêm os Ramos e depois a Páscoa. A Quaresma, e pensar que houve um tempo em que durante estes dias não se comia carne à sexta-feira e que quem pagasse a bula ficava livre de tais comprometimentos. O padre a fazer de cobrador (de almas) e a igreja a cumprir o “venha a nós o vosso” (reino). O Ministério da fé e dos negócios (de Deus) não deixava contas por acertar, não havia mar que não se abrisse nem montanha que não se demovesse para quem tivesse o espírito recheado (de bondade). Expliquem estas e outras coisas aos miúdos de agora. Não era ser-se religioso, era ser-se resignado, submisso, submisso da falta de tudo, tudo o que permite aos homens terem o mínimo para poderem sequer conseguir pensar em reflectir sobre o que os rodeia. E quem tinha um olhito, facilmente coroado rei entre miseráveis. Corações ao alto que deixámos de ser assim – e o mais incrível no espaço de uma só geração - viver a religião, mas com um mínimo de discernimento, de consideração. Mudámos, entrámos na Europa, fizemo-nos país desenvolvido. Não tenham medo das palavras. Falarei disso numa próxima. Olhar para o mundo numa perspectiva global. País desenvolvido, do primeiríssimo mundo. Não o deixamos de ser por insistirem em nos colar o autocolante amarelo no vidro como se fossem agentes das empresas municipais de estacionamento: “Roda bloqueada e venha o reboque retirar este veículo da segunda fila da economia mundial: aqui está a factura, vai desejar com ou sem contribuinte?”. Não o deixamos de ser. Não é porque devêssemos ter mais centros de saúde abertos ou porque o médico não vem tanta vezes como gostaríamos, é porque temos liberdade e capacidade para o exigir e é sobretudo, porque há 50 anos nesses mesmos lugares crianças nasciam sem sequer saber o que eram cuidados de saúde e crianças morriam como não se morria em lugar nenhum do mundo. Caso de estudo a nossa redução da taxa de mortalidade infantil. Falem destes avanços aos jovens. Não é por termos escolas a fechar, onde para todos os efeitos há pouca gente, é por termos boa, diversificada e acessível educação. É por termos pessoas licenciadas a tratar dos nossos filhos nos jardins de infância. Trabalhei com público adulto e é surpreendente, chocante, bárbaro, a quantidade de gente neste país que deixou a escola por só dela receberem rispidez. Não era rispidez, era violência, porrada, da grossa nalguns casos. É atroz a imagem que tanta gente neste país guarda da escola. Aspereza em casa, toma crueldade na escola para aprenderes. Estamos a falar de crianças, crianças. E isto até há um par de décadas. Duas coisas: Primeiro, há que reconhecer o esforço e o mérito de uma geração que passou por tudo isto, que sofreu, que penou, que viu a sociedade mudar e mudou com ela, que começou lá muito em baixo e deu a volta por cima. Segundo, isto tem de ser partilhado com a juventude. É a nossa história, havia gente dentro disso, vidas, gerações de pessoas. Famílias, escolas, entidades: investiguem, partilhem, interajam, transmitam. É assim que se aprende a dar valor ao que se tem, sem darmos o que termos por garantido. É assim que se aprende a dar valor ao que os nossos pais nos conseguiram dar, sem descurar que o conseguiram à custa de muito suor e trabalho. É assim que se aprende de onde vimos e a defender o que somos, sem nunca esquecer que amanhã tudo pode mudar. É assim que se aprende a querer ir mais longe, para podermos estar mais preparados e dar o melhor de nós ao mundo onde vivemos. Pensem nisso. Bem, minha gente agora se me dão licença vou indo que “moinho parado não mói farinha”. Obrigado por este bocado. Boas tardes e até amanhã!

Vendavais - O diz que nunca disse

Somos o povo que somos e não é por ser assim que vamos mudar a nossa maneira de estar e de dizer as coisas que nos vêm à cabeça. De facto, é frequente dar o dito por não dito, embora isso não abone a credibilidade seja de quem for. Nós sabemos que somos assim, mas não mudamos. E não mudamos porquê? Porque simplesmente ninguém exige explicações sobre o que, no fundo, são puras mentiras ou falsas promessas.

Vem isto a propósito do que o governo disse e disso fez eco, sobre as reformas a levar a cabo na Educação a partir do próximo ano letivo. Todos ouvimos, lemos e comentámos a “decisão” do Ministério da Educação sobre grandes alterações em diferentes áreas disciplinares dando como exemplo as disciplinas de Português e Matemática que seriam objeto de redução de algumas horas para beneficiar disciplinas como História ou Geografia que necessitariam de uma nova redistribuição de horas. Durante dias e dias a fio o discurso manteve-se, embora não especificasse concretamente se seriam as disciplinas de Português e Matemática as que seriam sacrificadas e se a História e a Geografia as beneficiadas, deixando contudo, essa possibilidade em aberto já que se discutia a matriz e a operacionalização do perfil do aluno. Neste aspeto, teriam de se valorizar sempre as áreas curriculares e visto por essa óptica, faria todo o sentido essa distribuição de horas para novas disciplinas.

Pois passados alguns dias e durante o mês de Fevereiro, o Ministério da Educação veio dizer que nunca esteve equacionada qualquer redução da carga horária das disciplinas de Português e Matemática, reforçando que nunca o tinha afirmado. Sinceramente! Está tudo louco?

Como se isto não tivesse grande importância, mas querendo firmar os pés antes de poder cair, o Ministérios fez questão de voltar a afirmar que essas disciplinas não iriam sofrer qualquer redução horária. Deste modo passava uma esponja nas afirmações proferidas e alinhava em outra direção, deixando, mesmo assim, algumas dúvidas no ar especialmente no que se refere à disciplina ou tema, ou área da famosa Cidadania que não têm professores e que terão de se recrutar para o efeito. Caberá aqui os tais 25% da carga curricular que o Ministério adiantou e que as escolas poderiam gerir dentro da tal autonomia que nunca chegou?

Segundo parece, o Ministério tem vindo a contactar e a reunir com algumas escolas e associações de professores, diretores de escolas e outras identidades ligadas à educação, no sentido de aquilatar as melhores soluções a implementar, sem no entanto adiantar seja o que for que descubra o que agora está no segredo do governo. Afinal, parece que tinham começado pelo fim! As casas não se começam pelo telhado!

Resta agora perceber quando é que todo este processo estará resolvido e quando poderá ser implementado nas escolas e quais as escolas “cobaias” que o irão experimentar. Mas será que podemos contar com essa certeza? Sim, porque isso não foi desmentido pelo governo. É verdade que disse coisas que agora negou, mas também há coisas que nunca veio dizer que nunca disse e que nunca se iriam implementar. Já estamos fartos do diz que disse…, mas não disse.

Uma coisa é certa: antes de estar concluído todo o processo com as estratégias de implementação adequadas, ou não, nada vai ser divulgado e ainda bem, pois ninguém quer ser embalado em camas de sonho e acordar em esteias de arame. Haja responsabilidade no que se faz, mas também nos caberá a nós que somos os lesados ou beneficiados, uma quota de responsabilidade, pois teremos sempre de julgar os que nos impõem as suas decisões seja em que campo de análise for.

O que se pede é uma grande dose de responsabilidade por parte do governo e dos seus Ministérios e como não estamos em campanha, que parem de adiantar supostas decisões que afinal não o são, mas que dão falsas esperanças de resolver o que necessita de ser resolvido. Nem resolvem nem dão certezas de o fazer e no que se refere à Educação, é bom que se pare de experimentar reformas que também o não são e que só trazem confusão. São já anos e anos seguidos, governos e governos uns atrás dos outros a fazer experiências na Educação e o que temos visto não passa mesmo de experiências falhadas. E não venham dizer que já o tinham dito!

Atenção aos medicamentos para acidez do estômago

Chamam-se inibidores de bombas de protões (IBP) os medicamentos que reduzem a acidez produzida pelo estômago. Contém substâncias como omeprazol, lansoprazol, pantoprazol, rabeprazol, dezlansoprazol e esomeprazol.
Estes medicamentos podem ser usados em diversas situações clínicas, como por exemplo o tratamento de curto prazo dos sintomas de refluxo em adultos. O refluxo consiste na subida do ácido do estômago para a garganta, o que pode causar uma sensação de queimadura dolorosa no peito (azia) e um sabor amargo na boca (regurgitação ácida).

Feliciano Rodrigues, artesão da precisão Artesanato engarrafado...

Ter, 14/03/2017 - 10:07


Olá familiazinha! Já vos posso informar que o XXVIII PIQUENICÃO DA FAMÍLIA DO TIO JOÃO vai ser na vila de Vimioso, no dia 25 de Junho, domingo e, pela primeira vez, num pavilhão multiusos com ar condicionado e outras comodidades, pois habitualmente temos estado em vários santuários e ultimamente nos centros de algumas vilas, sempre com temperaturas elevadas.
O concelho de Vimioso vai estar muito em foco nos próximos tempos, visto que no dia 2 de Abril (Domingo de Lázaro), vamos estar em directo, mais uma vez, da Feira da Rosquilha, em Argozelo e no Domingo de Ramos, dia 9 de Abril, estaremos em directo da Feira do Pão de Caçarelhos, com o Domingão do Tio João.
Neste número vamos apresentar o tio Feliciano José Rodrigues, de Vila Meã (Zona da Lombada – Bragança), que é engarrafador de artesanato.

 

Vale do Tua já tem trilhos pedestres em Mirandela, Vila Flor e Carrazeda de Ansiães

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Qua, 08/03/2017 - 16:20


Chama-se Trilho de São Lourenço, em Carrazeda de Ansiães, tem 12 quilómetros de extensão, começa e acaba junto à Igreja de Pombal de Ansiães, e tem inauguração agendada para 19 de março.

Contratação de dois novos vigilantes no Parque do Douro Internacional considerada insuficiente

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Qua, 08/03/2017 - 16:08


O governo abriu, no final de Fevereiro, um concurso para a contratação de mais 20 vigilantes da natureza em todo o país, um número que a Quercus e a Associação Portuguesa de Guardas e Vigilantes da Natureza consideram insuficiente.