PUB.

Júlia Rodrigues questiona governo acerca de abastecimento de água ao EP de Izeda e sobre resíduos perigosos do Cachão

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Ter, 18/10/2016 - 11:39


A deputada questionou o ministro do Ambiente sobre esta situação, pois considera que “aquilo que está em causa são as próprias declarações do presidente do município de Bragança, ao dizer que tem de garantir o abastecimento de água às populações, e isso é verdade.

180 expositores presentes nos Gorazes

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Ter, 18/10/2016 - 11:32


A Feira de actividades económicas dos Gorazes em Mogadouro, reuniu entre 12 e 16 de Outubro, cerca de 180 expositores vindos de vários pontos do país e também do estrangeiro, que mostraram e venderam os seus produtos, com destaque para o artesanato, produtos agroalimentares e máquinas agrícolas,

Secretário Geral do PCP condena “brutais” assimetrias e desigualdades

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Ter, 18/10/2016 - 11:20


Em pleno rescaldo da apresentação, na Assembleia da República, da proposta de lei do orçamento do Estado para 2017, o líder do partido comunista português (PCP) fez um mini périplo pela região transmontana, tendo participado, em Mirandela, num almoço convívio onde marcaram presença cerca de 120 m

Dia para a erradicação da pobreza sem “preconceitos” no Arquivo Distrital

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Ter, 18/10/2016 - 11:02


Esta foi apenas uma das abordagens no âmbito da jornada sobre o tema “Fronteiras de Preconceito” promovido pelo Arquivo Distrital. Uma forma de assinalar o dia internacional para a erradicação da pobreza.

NÓS TRASMONTANOS, SEFARDITAS E MARRANOS - José Rodrigues Peinado (c. 1696 – 1761?)

Em 1663, Bragança foi agitada por um vendaval desencadeado pela inquisição de Coimbra. Um dos prisioneiros foi João Gonçalves, o Marrana, de alcunha. De seguida foi presa sua mulher, Isabel Rodrigues. (1)
Entre os prisioneiros seguiu também o casal constituído por Lourenço Rodrigues e Catarina Pereira, filha de António Rodrigues Raba. (2)
Duas décadas depois, o rolo compressor da inquisição voltou a rolar pelas casas dos marranos de Bragança, sendo preso um filho do João Marrana e da Isabel, chamado António Rodrigues, Peinado de alcunha. E também a mulher deste, chamada também Isabel Rodrigues, filha de Lourenço Rodrigues e Catarina Raba. (3)
Ao tempo (1685), António e Isabel teriam duas filhas pequeninas. Depois de sair da prisão acrescentariam a prole, contando-se uma dúzia de filhos que chegaram à idade adulta. Fixemos apenas o nome dos 3 filhos machos: Lourenço, José e João António Peinado, nascidos por esta ordem entre 1689 e 1701.
Lourenço permaneceu solteiro e viveu mais afastado da família. José Rodrigues e João António, esses permaneceram ligados, tanto nos negócios como nas relações familiares. Casaram com duas irmãs, chamadas Francisca Josefa e Ana Maria Pereira, ambas nascidas em Chaves, filhas de Manuel Fernandes, originário da aldeia de Vilarinho dos Galegos, concelho de Mogadouro e sua mulher Maria Pereira, ambos com historial na inquisição.
Falecido o pai, José Rodrigues Peinado assumiu o papel de “chefe da família”. E tomando a responsabilidade de casar a sua irmã Josefa Brites, escolheu para noivo o seu cunhado Domingos Pereira da Costa, homem de grossos cabedais, contratador de tabaco e que ofereceu dote abonado. Aqui surgiu um grande problema. É que, depois do casamento, veio a saber-se que ele era impotente e “não coabitava com sua mulher, em razão de ter impedimento para isso”. Sentindo-se enganados, os dois irmãos levaram o cunhado para o campo e lá discutiram e resolveram a questão “ocultamente sem que outra alguma pessoa os presenciasse”. Nem sequer à irmã “enganada” e às suas próprias mulheres contaram, explicando a natural mudança de comportamento entre eles, com uma falha no pagamento do dote prometido. E para defender a família “e por não dar que falar ao mundo, se ficaram tratando e comunicando”.
José Rodrigues Peinado não era um qualquer mercador mas um prestigiado homem de negócio que “teve por muitos anos a administração do tabaco de Bragança e toda a província de Trás-os-Montes”. O sucesso empresarial também origina inimizades e do seu contrato resultaram “demandas e contendas” nos tribunais, muito especialmente com seus parentes Manuel e António Rodrigues Gabriel. E para se livrar de seus inimigos, decidiu abandonar Bragança, levando consigo os familiares que compunham a sua alargada “casa”. Depois de uma curta estadia em Lisboa, negociando sedas, foram fixar residência em Tavira onde, então já associados ao cunhado Domingos, arremataram o negócio do tabaco naquela comarca do Algarve.
Ou por sentirem ameaça da inquisição ou porque os negócios não correspondiam às expectativas, José Peinado tratou de dar um novo rumo à sua vida e à do “clã” que dirigia. Uma das medidas foi a criação de um depósito “bancário” em Londres, para onde, só de uma vez, mandaram uns 27 000 cruzados (mais de 10 contos de réis!), dinheiro que pertencia aos 3 irmãos e anualmente cada um recebia os respetivos juros. Sabemos também que o “chefe” do “clã” passava um mês no Algarve e outro em França, terra onde vivia já o irmão Lourenço Rodrigues Peinado, acima referido e que em 1716 passara pelas masmorras da inquisição de Coimbra. (4)
No verão de 1746, José Rodrigues Peinado veio de Tavira para Lisboa a tratar da passagem de toda a “família” para França. E tendo tudo acertado, mandou vir todos, com “casa movida” e que fossem ter a Alhos Vedros onde ele os esperava. Chegaram e logo os meteu em um barco alugado em Cacilhas. Chegados ao Coval, na margem da vila de Almada, mudariam para uma “muleta de pesca” que os levaria fora da barra onde estava um barco holandês que os transportaria para França, tudo acordado com o cônsul de Holanda em Lisboa.
Corria o plano de feição quando o barco chegou ao Coval e ali foram recebidos por uma força policial às ordens da inquisição e conduzidos para os Estaus, ao amanhecer do dia 4 de setembro de 1746. A informação chegara aos inquisidores por um dos barqueiros. Os fugitivos eram os 3 homens, as respetivas consortes, 3 outras mulheres da família e 3 meninos.
A bagagem era constituída por “13 baús e caixas encoiradas e 3 canastras também encoiradas, tudo coberto de pano; 7 fardos de camas e mais alguns embrulhos”. Para além disso, debaixo da roupa, as 3 mulheres traziam cada uma sua cinta onde foram metidas umas 235 moedas de 4 800 réis cada.
Não vamos analisar os processos instaurados a cada um dos 9 fugitivos. (5) Diremos tão só que José Peinado e seu irmão conseguiram provar que não iam fugir por causa da inquisição e por serem judeus, mas que fugiam por causa dos seus inimigos, apontando em concreto o já citado António Rodrigues Gabriel e o padre Francisco Mendes Gabriel (6) filho do também citado Manuel Rodrigues Gabriel. É que, não obstante ter ganho a demanda em Bragança perante o corregedor da comarca, os seus opositores apresentaram recurso para o tribunal da Corte. E como o padre Gabriel, que entretanto se mudara para Lisboa, poderia mover estranhas influências ou conseguir falsos testemunhos… ele e seu irmão acordaram que o melhor era partir para França onde viveriam em paz, livres daquela e de outras demandas e processos. Em prova de seus argumentos, apresentou uma carta escrita por António José Gabriel para o seu cunhado Domingos Pereira da Costa, queixando-se que José e João Peinado o levaram à falência e à ruína. Vinha por isso pedir ajuda para se livrar dos credores e das fianças. Caso contrário… ameaçava vingar-se… E agora, vejam como José Rodrigues afirmava a sua liderança:
- Só sabia da partida seu irmão João António e como ele era o mais velho, as outras pessoas que o acompanhavam haviam de fazer o que ele determinasse. (…) A razão que teve para ocultar a fugida a seu cunhado foi porque vivia desgostoso por ele o enganar casando com sua irmã tendo impedimento para consumar o matrimónio.
Facto é que José e João conseguiram livrar-se da enrascada sem que a inquisição lhe confiscasse quaisquer bens. E a fuga para França acabou por consumar-se.
Um dos 3 meninos acima referidos chamava-se António Gabriel, tinha 5 anos e era filho de José Peinado. Em 1758, sendo estudante em Coimbra, foi preso pela inquisição. (7) Teriam os pais abalado para França antes dessa data? Não podemos responder, pois não pudemos aceder ao processo. De qualquer modo pensamos que José passou a Bordéus e ali tomou o nome de Abraham Rodrigues Peinado, vindo a falecer naquela cidade em 30.3.1761.
João António Peinado viveu em Londres antes de ir para Bordéus onde adotou o nome hebreu de Jacob Rodrigues Peinado, falecendo em 18.7.1773. (8) Eram seus filhos, os outros dois meninos referidos atrás. Um deles tomaria o nome de Aron Peynado e ganhou bastante prestígio no seio da “nação” portuguesa de Bordéus onde, em 1783, foi eleito para o cargo de “administrador externo do Talmud Thora”, competindo-lhe a responsabilidade pelo funcionamento da escola da comunidade, no que respeita a finanças e a escolha do professor. (9)
NOTAS e BIBLIOGRAFIA:
1-ANTT, inq. Coimbra, pº 7616, João Gonçalves Marrana; pº 5515, Isabel Rodrigues.
2-IDEM, pº 416, Lourenço Rodrigues; pº 8173, Catarina Pereira.
3-IDEM, pº 4953, António Rodrigues Peinado; pº 9110 Isabel Rodrigues.
4-IDEM, pº 8495, Lourenço Rodrigues Peinado.
5-Inq. Lisboa, pº 7402, José Rodrigues Peinado; pº 8380, João António Peinado; pº 8755, Domingos Pereira da Costa; pº 8328, Francisca Josefa; pº 11605, Ana Maria; pº 7404, Josefa Brites; pº 11608, Leonor Maria; pº  5468, Isabel Maria; pº 7371, Luzia Pereira.
6-inq. Lisboa 2804, Padre Francisco Mendes Gabriel.
7-Inq. Coimbra, pº 6366, António José Peinado.
8-CAVIGNAC, Jean - Dictionnaire du Judaïsme Bordelais aux XVIII et XIX Siècles, pp. 102 e 183.
9-SCHWARZFUCHS, Simon – Le Registre des Délibérations de la Nation Juive Portugaise de Bordeaux (1711 – 1787), p. 538.

Por António Júlio Andrade / Maria Fernanda Guimarães

ESCREVER À ESQUERDA

De tal forma a escrita se vulgarizou que, se fosse realizado um inquérito sobre o que é “escrever”, poucos iriam além da primeira entrada que o conceito apresenta num qualquer dicionário. Se “produzir” ou “criar” são apresentados como sinónimos do verbo, também “vacilar” ou “ziguezaguear” se inscrevem mais abaixo não deixando, por isso, de ser menos interessante tais significados.
A este propósito, a revista Sábado da segunda semana de outubro destaca um artigo de Filomena Mónica e António Araújo onde refletem acerca do que une e separa as duas grandes ideologias políticas (esquerda e direita) no Portugal contemporâneo. O texto, a merecer uma leitura atenta, refere que, se por um lado, as ideologias se confrontam, por outro, aproximaram-se em consequência da crise económica e das ameaças que pairam sobre o mundo. Ao mesmo tempo, não deixa de ser interessante que o artigo faça eco das críticas trocadas: a esquerda lamenta-se da hegemonia que a “gémea separada à nascença” tem no mundo dos negócios e a direita a aponta o dedo afirmando que a esquerda domina a imprensa, a cultura e as artes, sendo o maior agravo o de estar presente em tudo o que seja comentário e opinião. Dado o contexto atual, assistiu-se, segundo o artigo, ao esvair dos pilares destes dois campos, tendo a esquerda de admitir e apoiar medidas de segurança e vigilância até aqui impensáveis, e a direita a reconhecer que a confiança liberal na autorregulação dos mercados, com as falhas grosseiras da supervisão, conduziu ao descalabro financeiro de que ainda não se conseguiu sair. Como consequência, os movimentos partidários mais moderados perderam fulgor, e os mais radicais deixaram de se apresentar como alternativa e de confronto com o sistema, decidindo integrá-lo e influenciá-lo diretamente, estando, se não dentro, pelo menos, próximos do poder.     
Sendo eu povo, e partilhando do ponto de vista dos citados autores, não ficaria com as expectativas goradas se a Esquerda que agora nos governa revisitasse os seus valores e resolvesse, pelo menos, três das situações sociais e profissionais que se estão a tornar insuportáveis.
A primeira tem a ver com a educação. Sempre acreditei que o sistema educativo público, ganha quando a governação é socialista. Já tivemos a experiência frustrada com alguém que, encarregue da pasta, apenas teve o mérito de unir os professores em manifestações como nunca antes vistas. Nesta legislatura, o que vai sendo anunciado nem a remendos chega. São medidas avulsas, com um reduzido impacto nas escolas e esquecendo os agentes principais: os professores e os alunos. O fazer “a vista grossa” ao facto de um professor atender por dia cerca de trezentos alunos (tendo as turmas uma média de trinta alunos), mais a carga burocrática, está a levar uns e outros à exaustão, sem falar no envelhecimento dos primeiros e do que tal acarreta. A falta de operacionais em quase todos os estabelecimentos, em breve, dará lugar a um caos com consequências imprevisíveis. Para não falar dos currículos e da carga horária dos alunos.
A segunda decorre da reportagem TVI de oito e nove deste mês sobre o modo como a Inglaterra retira as crianças aos emigrantes portugueses, colocando-os num sistema de adoção marcadamente capitalista onde o que impera é a libra. Sempre vimos na Inglaterra um aliado, mas, desde sempre, este país se serviu em função dos seus interesses. Não ficou bem ao Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas dizer o que disse sobre o que Portugal pode (neste caso não pode fazer) para que crianças portuguesas, retiradas à força por uma tutela estrangeira, possam voltar aos braços dos seus pais também eles portugueses.
Em terceiro lugar, o sector do táxi. Quem conhece os taxistas transmontanos, de facto, não se revê na classe lisboeta, nem na sua verborreia, nem tão pouco no cheiro a tabaco e no pouco asseio que têm nas viaturas. Ninguém contesta que é necessário modernizar o sector e dar-lhe realmente formação, mas daí a desregular o mercado permitindo a concorrência de outros com o argumento de que “com os motoristas da Uber se pode ter uma conversa de jeito e andam limpinhos” vai uma distância considerável mesmo quando se trata do pagamento de impostos. 
Retomo, por isso, o pensamento de José Ferreira Pinto Basto, o visionário que construiu uma nação dentro de outra nação: “O capitalista inteligente é aquele que dá as melhores condições aos seus funcionários”.