PUB.

Marcelo Rebelo de Sousa defende criação de “grupo de acção” para a região de Trás-os-Montes e Alto Douro

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Qua, 13/07/2016 - 12:48


Na visita à região transmontana, designada como a segunda edição da iniciativa do “Portugal Próximo”, que decorreu entre os dias 4 e 6 de Julho, Marcelo Rebelo de Sousa começou por defender a criação de uma “Unidade de Missão para o Douro”, mas, no segundo dia da visita foi mais específico. 

Presidência da República garante patrocínio a Museu da Língua em Bragança

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Qua, 13/07/2016 - 12:44


Na passagem por Bragança, na passada terça-feira, dia 5 de Julho o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse que patrocina o projecto do Museu da Língua Portuguesa que está previsto para a capital de distrito.

Atropelamento de animais traz à tona reivindicação antiga da população em Paçó

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Qua, 13/07/2016 - 12:32


Depois do acidente do passado dia 4, que provocou a morte a 10 ovelhas e um cão, os habitantes de Paçó, aldeia anexa a Rio Frio, reiteram o pedido de uma ponte sobre a Estrada Nacional 218, que permita a passagem em segurança de pessoas, veículos e animais, já que precisam de atravessar esta via

Aumento de acidentes de tractor está a levar a GNR a intensificar o trabalho de sensibilização

ESTA NOTÍCIA É EXCLUSIVA PARA ASSINANTES

 

Se já é Assinante, faça o seu Login

INFORMAÇÃO EXCLUSIVA, SEMPRE ACESSÍVEL

Qua, 13/07/2016 - 12:19


A GNR está preocupada com o aumento do número de vítimas na sequência de acidentes de tractor. De acordo com a Guarda Nacional Republicana, só este ano, morreram no distrito de Bragança nove pessoas, na sequência de acidentes de máquinas agrícolas.

NÓS TRASMONTANOS, SEFARDITAS E MARRANOS - Jacob Abraham Camille Pissarro (1830 - 15.12.1903)

A obra de Camille Pissarro é por demais conhecida, sendo ele considerado um dos fundadores do impressionismo. O próprio Henry Matisse lhe chamaria o Moisés da pintura contemporânea e Paul Cézame afirmava: - Todos descendemos de Pissarro.
De sua biografia diremos que ele nasceu na ilha de Saint Tomas, uma das Ilhas Virgens Americanas, em 10 de Julho de 1830. Aos 11 anos foi mandado a estudar num colégio em Paris. Concluídos os estudos, regressou à ilha onde se cruzou com um pintor dinamarquês chamado Fritz Malbye. Em 1852 acompanhou-o à Venezuela, em missão do governo das Ilhas Virgens, a estudar a fauna e a flora. Três anos depois, Camille Pissarro troca a Ilha pela Europa. Na companhia de Malbye, dirige-se a Paris onde trava conhecimento com Paul Cézanne, Claude Monet e outros que, com ele, foram os pais do impressionismo. Em 1861 casou com Julie Vellay que lhe deu 8 filhos. Nos anos da guerra franco-prussiana viu a “fúria militar” destruir muitos dos seus quadros, tendo ele ido viver para Inglaterra. Faleceu em Paris a 13 de Novembro de 1903.
Vamos então para a cidade de Bragança, à procura de seus ascendentes. Situemo-nos em meados do século XVIII, na Rua Direita, toda ela cheia de teares e oficinas de seda. Várias dessas casas são habitadas por gente da família Pissarro. No Arquivo Distrital de Bragança guarda-se um “Livro em que se achão descriptas as Fazendas que possue a Caza de João da Costa Pissarro, e Rafael José da Costa Pissarro”. Nele se contam dezenas de moradias, com respetivos custos e processos de aquisição, por eles ou por seu pai, Henrique José Gabriel Pissarro.
Porém, o ramo da família que procuramos é um outro, o dos filhos de Pedro Rodrigues Álvares Pissarro e Luísa Maria Nunes, que eram 4 rapazes e 3 raparigas. Em 1747 estavam todos solteiros e moravam juntos, em uma casa, a meio da Rua Direita, emprazada a Francisco de Morais Pimentel de que pagavam foro anual de 14.400 reis. Na falta dos pais, então já defuntos, o “chefe da família” era António Gabriel Pissarro, o mais velho, advogado. Lourenço e Alonso eram tecelões de seda, com uma “fabrica” no rés/chão da casa.  O mais novo dos rapazes chamava-se Francisco José Gabriel e contava 13 anos de idade. Andaria estudando gramática e latim no colégio dos Jesuítas, sito nas proximidades.
Em Abril de 1747, António Pissarro foi preso pela inquisição, juntamento com duas dezenas de outros marranos de Bragança. Foi acusado de ser o oficiante  (rabi) na “sinagoga” que regularmente faziam em casa de António Rodrigues Fallo, seu parente. Significativa neste processo foi a denúncia feita por António Manuel Figueiredo Sarmento que propositadamente andou a ver se os “judeus“ da Rua Direita guardavam o Kipur de 1746 e disse que “observou curiosamente que no dito dia estavam às portas uns dos outros sem trabalharem e com camisas lavadas e especialmente fez reflexão e reparo por serem pessoas com quem ele testemunha tem mais conhecimento e foram o licenciado Francisco Furtado Mendonça, médico, Manuel Mendes, castanhola, e o licenciado António Gabriel Pissarro que todos estavam em casa deste, com outros mais. O que ele individualmente viu de sua casa, por estar defronte do dito António Gabriel Pissarro, e este no mesmo dia mostrou a um irmão dele testemunha chamado Francisco Bernardo umas meias lavadas que tinha nas pernas, como também colete de linho lavado e camisa lavada”.
Muito curiosa foi a descrição feita pelo padre Bento Rodrigues da sepultura aberta em terra virgem na igreja de S. Vicente para enterrar o pai do Dr. Pissarro. Os “coveiros”, para mostrar ao padre que não era terra virgem, foram buscar uns ossos ao adro de S. João e “tendo-os metido na água benta da pia, os incodrigaram na terra para que se entendesse que da dita cova os tinham tirado”.
Não cabe aqui dar conta do processo do nosso advogado, cheio de notas interessantes para o estudo da sociedade brigantina da época. Diremos tão só que ele saiu penitenciado em cárcere e hábito perpétuo no auto da fé de 16.11.1749.
Certamente que sendo grande humilhação viver em Bragança com a fama de judeu e obrigado a ir à missa vestindo um saco amarelo por cima da roupa, logo que lhe foi possível, Gabriel Pissarro abandonou a terra.
Obviamente que os irmãos receavam também ser presos e, antes que isso acontecesse, resolveram apresentar-se e confessar que também haviam judaizado. Foi o que fez Francisco José Gabriel, o mais novo, que se apresentou na inquisição de Coimbra em Janeiro de 1753. De suas confissões ficamos sabendo que ele frequentava o 2º ano de cânones na universidade de Coimbra e que o irmão António já morava em Lisboa, enquanto os outros moravam em Bragança. Depois de apresentado pediu licença para ir de férias para Lisboa e para ali acabaria também por transitar o seu processo.
Em Fevereiro de 1754, o irmão Lourenço morava em Vila Real e os outros em Lisboa, como disse a irmã Isabel Brites Rosa que igualmente se apresentou na inquisição de Lisboa.
Não sabemos se Francisco acabou o curso em Coimbra, mas sabemos que casou com Rebeca Rodrigues Álvares (1752-1783) e que estes foram os pais de José Gabriel Pissarro, nascido em 1777, avô paterno de Camille Pissarro. Este seria muito pequeno quando os pais foram de Portugal para Bordéus, em França. Ali, em Janeiro de 1782, foi feita uma subscrição entre os membros da comunidade espanhola e portuguesa da mesma cidade para oferecer ao rei de França um barco para a marinha mercante, tendo “les frères Pissarro” contribuído com 500 libras. Serão eles? E também para ali terá ido na frente o advogado António Gabriel? Será ele o Mr. Jacob Pissarro que em 29.3.1778 foi eleito para o cargo de “gabay” da “nação judaica portuguesa” de Bordéus?

NOTAS e BIBLIOGRAFIA:
1- RODRIGUES, Luís Alexandre – Bragança no século XVIII. Urbanismo. Arquitectura. Dissertação de mestrado, universidade do Porto, ed. Câmara municipal de Bragança, 1995.
2-ANTT, inquisição de Coimbra, pº 6269, de António Gabriel Pissarro, fl. 23v: - Também em casa do licenciado António Gabriel Pissarro há teares, em que trabalha um seu irmão chamado Lourenço.
3- Pº 6269, fl 16.v: - O padre António Carlos Vilas Boas disse que ouviu dizer a pessoas que lhe não lembra que o pai do licenciado António Gabriel Pissarro era quem explicava a lei mosaica aos mais cristãos-novos e que no mesmo exercício se presumia ficar o dito licenciado seu filho.
4- Pº 6269, fl. 104v.
5- ANTT, inquisição de Lisboa, pº 6954, de Francisco José Gabriel. IDEM, pº 517, de Isabel Brites Rosa.
6- SCHWARZFUCHS, Simon - Le Registre dês Deliberations de la Nation Juive Portugaise de Bordeaux (1711 – 1787), p. 533, Fundação Calouste Gulbenkian, Paris, 1981.

Por António Júlio Andrade / Maria Fernanda Guimarães

Vendavais - A força de um povo

Espalhados pelos quatro cantos do globo, os portugueses marcam a sua presença e integram-se onde quer que estejam e sabem adaptar-se perfeitamente de tal modo que são respeitados por toda a parte. Levámos connosco desde tempos imemoriais esse hábito de conhecer tudo e ensinar o que sabíamos aos que de nós nada sabiam. Marcámos território.
Assim, espalhados por este globo imenso, conseguimos impor-nos aos poucos, e levar os outros a considerar-nos como um povo com características muito próprias eivados de uma força imensa que só se consegue quando funciona em uníssono. E quando assim foi, vencemos sempre.
Foi esta força enorme, a força de um só povo, que conseguiu vencer este Europeu. Foi essa força enorme que derrotou os franceses, ciosos das suas capacidades, mas sem a força necessária para suplantar a força do povo português.
Os franceses criticaram a seleção portuguesa e disseram que Portugal nada tinha demonstrado como equipa e que estava ao alcance da França. Disseram mesmo que éramos porcos a jogar. Que jogávamos mal. Afinal o que dirão agora os franceses que desse modo criticaram Portugal?
Pelo que vimos, eles levavam a lição bem estudada. Era preciso acabar com Ronaldo, fosse como fosse. Aos vinte e cinco minutos acabaram com ele. Devem ter respirado de alívio. Mas uma seleção não é só um homem. É um povo, uma vontade, uma esperança, uma força imensa. Não havia Ronaldo, mas havia química secreta que é desconhecida dos franceses e de todos os outros povos. Uma química chamada Pátria, chamada ambição. Laços de união fortíssimos entre todos os que em campo batalharam para representar mais de onze milhões de portugueses espalhados pelo mundo desde o Minho a Timor, passando pelo Brasil e mesmo pela Austrália. Isto, a França não pode exprimir porque não tem.
Quase todos pretenderam denegrir a nossa seleção, todos a criticaram. É verdade que não começámos da melhor forma, mas como diz o povo, não se louva quem bem começa, mas quem bem acaba. Acabámos muito bem. Ganhámos o título que nos fugia há muitos anos. Vingámos a Grécia e vingámos a França. Diria mesmo que vingámos também a Alemanha, embora não se trate propriamente de vinganças. São formas de expressar o sentimento que nos vai cá dentro. Um sentimento que os emigrantes portugueses em França bem conhecem, porque vivem e convivem no meio dos franceses todos os dias e são por eles amesquinhados muitas vezes. Mas como noblesse oblige, há que aguentar e calar. Chegou o momento de falar, de gritar bem alto o nome de Portugal e enaltecer o valor de um povo, o povo português.
Parabéns aos valorosos guerreiros que, apesar de ficarem sem o seu capitão dentro das quatro linhas, manteve-se atento e sofredor fora delas, ocupando espaços que não podia para incentivar os colegas e dar-lhes a receita da força que o povo português tem e que ele bem conhece: a força da união.
Sofremos todos, como sempre sofremos. Eles ensinaram-nos a sofrer, mas também a ter esperança. Sofremos muito, mas o final valeu a pena. Como diziam os emigrantes portugueses, “temos de comer os galos” e cumprimos. Comemos na mesa deles e em casa deles.
Agora os que criticaram a seleção portuguesa, desde os espanhóis aos alemães, passando pelos franceses têm de se reverenciar e olhar para dentro de si próprios e fazerem o seu acto de contrição, se forem capazes disso. O seleccionador tinha razão quando dizia que só viria dia onze e que seria recebido em festa. Claro. Mesmo que perdesse, merecia essa festa na sua receção. Fez de tudo para garantir a manutenção e a vitória. Conseguiu. Pragmático e racional quanto baste, soube equilibrar o barco para que nunca se afundasse e chegasse a porto seguro. Teve mérito. Foi um ótimo timoneiro. Fez de Portugal Campeão Europeu pela primeira vez na História e isso ninguém lhe pode tirar.
Agora podemos dizer todos juntos e a uma só voz “somos campeões europeus”. Em evidência esteve a força de um povo com uma alma maior que o próprio mundo.

Política de Afetos

Há muitos anos que convivíamos diariamente com a personalidade política do Professor Aníbal Cavaco Silva. Uma figura austera, rígida que motivava receios e eliminava proximidades. Sendo o político que mais anos esteve no poder, enquanto primeiro-ministro e, depois, como presidente da república, assumiu sempre um poder distante do povo, exceção feita a períodos eleitorais. 
A mudança de perfil presidencial a que temos vindo a assistir, veio confirmar que passámos do chamado “8 para o 80”. A afetuosidade que a figura do atual Presidente da República manifesta, surpreende os Portugueses, justamente, parece-me, pelo contraste com a personalidade de quem ocupou o cargo até há pouco tempo.
Em visita ao Distrito de Bragança, o Presidente da República veio visitar diferentes concelhos, instituições e empresas. Em todas as ocasiões, o nosso Presidente tem um sentido de humor adaptado às circunstâncias, assumindo-se como o unificador de vontades e sentires. Esta mensagem vai passando junto de todos, até dos que iam desconfiando desta nova missão presidencial. Pois bem, confirmou de viva voz a qualidade dos autarcas socialistas e a dificuldade de fazer política no interior do País. Ficou assim o convite para voltar a visitar o nosso distrito e conhecer outras realidades e outros concelhos.
Como há uns dias partilhei, a política é a arte de transformar o impossível em realidade. A política dos afetos é reconhecida como de proximidade, que inclui naturalmente a capacidade de ouvir e retornar respostas. Uma agenda complicada não pode justificar o afastamento da realidade vivida pelos nossos conterrâneos. Preocupa-me fundamentalmente que se perca a noção da realidade, quando envolvidos e imersos em diferentes escalas de poder. Por isso mesmo, vemos políticos com comportamentos distintos em períodos eleitorais e não eleitorais, internamente em estruturas partidárias e externamente em contacto com as populações.
No nosso Distrito existem projetos muito interessantes, que encaixam como luva neste tema. As Universidades Sénior conferem simpaticamente um projeto de aprendizagem e de afetos entre gerações que se distinguem das demais pela experiência, serenidade e capacidade de multiplicar ideias e conhecimentos. Sempre que se aborda, como prioridade política, o envelhecimento ativo, só posso concordar. Duas razões fundamentais. Uma delas porque representam os mais conhecedores, sendo uma mais valia para qualquer sociedade. Outra, porque pessoas ativas contribuem para o bem-estar social.
Asseguro-vos que, na função de deputada existe uma realização pessoal e política que ultrapassa o caráter formal. Trata-se da oportunidade de aprender com todos. Poder receber jovens de diferentes escolas do distrito na assembleia, reunir com instituições e empresas para conhecer e apoiar a resolução de problemas, divulgar a nossa cultura e tradições, trabalhar em iniciativas legislativas que promovam o desenvolvimento estrutural, em particular na área agrícola e alimentar. Defendo de forma intransigente o nosso Distrito, também porque somos pessoas de afetos.

Nota: Portugal está na final do Euro 2016. No próximo domingo, disputamos com a França o Campeonato da Europa. Quando for publicado este artigo já conheceremos o resultado. A nossa seleção já é, seja qual for o desfecho, uma vencedora.
 

Mas que parolice!

As boas notícias sempre chegam a Trás-os-Montes, embora com atraso enfastiante, trazidas pelos diligentes jornais regionais, honra lhes seja feita, que o proveito não é nenhum.
Foi pela imprensa regional, portanto e tão-somente, que só agora tomei conhecimento de um notável evento ocorrido no já distante 1 de Junho, a que os seus sábios organizadores deram o empolgante e artificioso epíteto de Mostra Cultural Transmontana.
Evento cultural que teve lugar no restrito e selecto restaurante da Assembleia da República, organizado pelos deputados de Bragança e que, como não poderia deixar de ser, meteu comes e bebes do melhor que a região produz.
A assistência, também restrita, não teve povo, mas apenas distintos convidados da classe, amigos e correligionários dos organizadores. Aos transeuntes da rua de São Bento foi concedido o privilégio de aspirar aromas e fragâncias e de ouvir o tilintar de copos e talheres.
Uma forma bizarra de dar a conhecer Trás-os-Montes e ignorar os transmontanos.
Claro que a patuscada, a que chamaram Cultural, meteu muito boa cultura da boca. Cultura hortícola, nabos, vinhos, azeites e enchidos da melhor que se produz por esse mundo fora, e que bem merece ser propagandeada nos melhor afamados fóruns comerciais, não no ambiente classista e fechado dos Passos Perdidos.
Ainda se ao menos tivessem montado tendas e fogareiros na escadaria do palácio, vá que não vá! Agora banquetes fechados em assembleias políticas apenas servem para deliciar os estômagos de uns tantos e iludir os espíritos de muitos mais, como convém aos primeiros.
Ainda assim, o inefável José Cid continua a não ter razão, por mais que os nossos deputados lha tenham dado com esta Cultural Mostra Transmontana. Porque em Trás-os-Montes há muita e séria cultura, popular e erudita, para lá do prestimoso Trio de Bombos e de Gaitas de Foles de Malhadas.
Há, sobretudo, jovens e talentosos escritores, músicos, pintores e actores e uns tantos académicos com nomeada afirmada. Há grupos de teatro, escolas de música, academias e grémios literários. Muitos jovens que despontam nas letras e nas artes desejosos de largarem o ninho e por isso aguardam, avidamente, que alguém com responsabilidade e generosidade lhes meta no bico o cibo a que tem direito. Jovens que também merecem ser mostrados ao mundo até porque valem mais que batatas e azeite.
Sem pretender ofender ninguém devo dizer que “cliquei” “likes” em dois comentários num dos raros “posts” que encontrei no “facebook” sobre o assunto e que rezavam assim:
- Mas que parolice! - Dizia um. E outro, ainda mais esclarecedor:
- Que grande merenda!
Enfim! O Presidente da República inaugura, em Chaves o Museu de Arte Contemporânea e em São Martinho de Anta o Espaço Miguel Torga, e os deputados de Bragança dão mostras da sua cultura no palácio privado de São Bento. E pedem meças!
Este texto não se conforma com o novo Acordo Ortográfico.

Por Henrique Pedro

Dos livros e da política a nordeste

Houve um tempo que comprava livros por necessidade de dar resposta a interesses no âmbito do conhecimento, ou das atividades de lazer. Quando percorro a minha biblioteca acompanho, paulatinamente, a minha vida, como num filme antigo e regresso a cada lugar, a cada atividade como se fosse outro, plasmado nos livros e na diversidade dos interesses.
Lá estão os livros da instrução primária e o menino da mocidade portuguesa que marcha galhardamente, os livros de poesia, na nostalgia consentida da adolescência, os livros de todos os saberes escolares, os livros de filosofia, de sociologia e política, de quase todas as áreas do conhecimento, da criação de canários, de jardinagem, de raças de cães, de eletrónica, de cuidados de saúde, romances de todos os gostos, ensaios, enciclopédias inúteis, investigação científica, tratados, panfletos, jornais e revistas. Lá estão imensos livros de escritores de circunstância que não quiseram deixar de escrever um livro, plantar uma árvore, fazer um filho. E lá estou eu, humildemente, com os meus sete livros publicados, com os meus trabalhos científicos e sobretudo com uma infinidade de textos para jornais, revistas e sobretudo para intervenções em congressos, convenções, campanhas eleitorais e outras miudezas inúteis no âmbito da política.
Agora, estou aposentado e já tenho tempo para tudo, até para a reflexão do devir histórico, do homem na sua breve passagem pela vida onde tudo é “vanitas vanitatum et omnia vanitas”, “vaidade das vaidades, e tudo é vaidade”. A aposentação é o descanso merecido, a altura da reflexão, de apurar saberes e de vivermos em paz connosco e com os outros.
Durante muitos anos estive na política ativa, dirigente local, na crença maior da cidadania e das mudanças, sobretudo para um distrito que morre paulatinamente. E é curioso olhar para o presente e verificar como outros jovens se perfilam para as tais mudanças adiadas, para as revoluções mil vezes pensadas e a história repete-se. Umas vezes acerta-se, outras vezes não. E é com agrado que verifico e só a título de exemplo, como o partido socialista local se renovou. Com a saída de Mota Andrade da presidência da Federação distrital, os novíssimos dirigentes partiram para a renovação. Duma forma cirúrgica conseguiram que antigos dirigentes, de longos anos, passassem à sua condição de militantes de base. E isso só bem provar que ninguém é insubstituível e que os partidos têm capacidade de se renovar e renovar os seus quadros. Contudo, na antiga Grécia eram os idosos que governavam a cidade.
Por isso, o partido socialista local aparece renovado, mesmo com alguns militantes que há alguns estavam, mais ou menos, afastados das lides partidárias, por isso, tiveram tempo para refletir, estudar, encontrar soluções para agora darem um contributo maior à dinâmica partidária e sobretudo um contributo importante para o desenvolvimento sustentado da região, combatendo o flagelo duma enorme região desertificada.
Quem está na política tem que ter este sentido maior de servir, sem se servir, de prescindir de ganhar milhões, de resistir ao fascínio das negociatas, de combater o bom combate em prol dos cidadãos e da “polis”, de servir como “general”, ou como “soldado raso”, de fraternalmente estar perto da região sem se deixar fascinar pela “luxúria” do poder.
Por isso, estou expectante. Esta nova equipa renovada, refrescada, do PS saberá mobilizar pelos afetos os militantes de base e os simpatizantes, para dar uma resposta eficaz aos grandes combates que se adivinham. Não é importante ganhar eleições pelo prazer lúdico de estar contra alguém, mas sobretudo pela possibilidade de devolver a felicidade e o bem-estar aos habitantes das cidades, vilas, e sobretudo das nossas aldeias que habitam nos longos silêncios, na memória de outros tempos, que todos os dias enxugam as lágrimas do desgosto das imensas partidas em tempo de emigração, assistem à derrocada do casario e esperam que os filhos regressem pelo natal, enquanto falam de memórias à soalheira e o poder de Lisboa espera que o último vizinho vá a sepultar para encerrar a aldeia. E eu sei do que estou a falar, não por ler jornais, não por filosofar na Praça da Sé, não por ir a conferências, seminários e convenções com ilustres estudiosos vindos de longínquas paragens, eu sei do que estou a falar porque habito numa pequena aldeia transmontana e cada vez somos menos e qualquer dia já não tenho vizinhos para jogar uma “suecada”, ou para andar as cruzes, ou dizer, tão-somente, hoje o dia está bom.

Alimentação saudável e segura em dias de calor

Comece por escolher alimentos frescos e cuja origem inspire confiança, tendo em atenção o seu aspeto na altura da compra e, no caso dos embalados, a data de validade.
Na altura da preparação, deve lavar bem as mãos, assim como lavar cuidadosamente em água corrente os alimentos que vão ser consumidos crus (caso das alfaces ou da fruta), bem como os utensílios de cozinha e superfícies que contactam com os alimentos (por exemplo bancas ou tábuas de cortar).