PUB.

Cinismo e Abstencionismo

É por demais sabido que o Sistema Democrático (liberal e representativo, em que o princípio um homem um voto, a separação de poderes e a representatividade das diferentes ideologias são práctica e são lei) não se esgota num único Regime político. E é por demais óbvio que os políticos do Regime vigente em Portugal, que favorece a adulteração sistemática do Sistema Democrático, nada têm feito para aumentar a participação dos portugueses nos sucessivos actos eleitorais e trazer a abstenção para valores minimamente aceitáveis. Para lá de discursos relapsos e de desenxabidas promessas de reforma. Sobretudo desde que senhor António Costa pôs em marcha o PRREPS (Processo Revolucionário de Redução do Estado ao Partido Socialista), com a conivência do BE e do PCP e a inação do PSD. A persistente taxa de abstenção eleitoral, vergonhosamente elevada, como mais uma vez se verificou nas últimas eleições autárquicas, é uma marca do Regime e um instrumento de que os manda-chuvas partidários, não só socialistas, se servem para sobreviver, adiando sistematicamente reformas fundamentais. Como é o caso da lei eleitoral e do recorrente processo de recenseamento de eleitores, precisamente. Tomemos o exemplo das eleições presidenciais de 24 de Janeiro de 2021, as mais recentes do género, em que a taxa de abstenção excedeu os 60%, com menos de ¼ dos eleitores legalmente habilitados a credenciar pelo voto o Presidente da República em exercício. Ora, é por demais evidente que nenhum Regime político, mesmo revestido de roupagens democráticas, se poderá assumir como genuinamente democrático quando mais de ¾ dos eleitores se alheia da eleição do mais alto magistrado da Nação. A verdade nua e crua é que mais de ¾ dos eleitores não abonaram expressamente tal eleição o que não preocupou nenhum político, mais interessados que estão com a sobrevivência, ainda que contra natura, do Regime corrupto. O abstencionismo, sistémico, e o cinismo político, atávico, coexistem na perfeição, como se vê. O problema fundamental, porém, não está na deficiente educação cívica dos portugueses como muitos pretendem. Bem pelo contrário, a abstenção tem razões diversas ainda que a maior parte delas não tenham o peso que muitos lhe querem dar. Desde logo a eventual doença, ausência ou simples comodismo dos abstencionistas cujos números não serão, quanto a mim, significativos para justificar a anormalidade da abstenção. Também há quem invoque a desatualização dos cadernos eleitorais que igualmente terá um peso marginal, para lá de que são por demais conhecidos episódios lamentáveis em que defuntos e ausentes milagrosamente também votam, por interpostas pessoas, claro está. A razão maior, isso sim, é que a grande maioria dos abstencionistas não se sente motivada a votar, indiferente e desgostosa que anda com o dito sistema, os ditos partidos, os ditos políticos, a dita corrupção e coisas que tais. Ou porque, pura e simplesmente, se não revê nas soluções e nas alternativas eleitorais que lhe são apresentadas. E também porque as forças políticas que têm poder para tanto, promovem a viciação das sondagens eleitorais com o propósito de desmotivar aqueles que, à partida, reconhecem como adversos. Já no que aos votantes diz respeito muitos são, por certo, os que louvavelmente votam só porque entendem que devem assumir o direito e dever de votar sem outros interesses associados. Honra lhes seja prestada. A maioria, porém, fá-lo porque obviamente serve, se serve ou espera vir a servir ou a servir- -se do sistema. Claro que os partidos que granjearam clientelas e militantes seguros não estão interessados em que haja votantes que não sejam seus simpatizantes. O seu único interesse é ganhar eleições, com maioria absoluta se possível, nem que seja um só cidadão a votar. Daí que não lhes interesse promover a ida às urnas dos abstencionistas porque sabem, de antemão, que isso os prejudicaria. Assim se compreende que os políticos mais influentes do presente regime menosprezem o voto obrigatório mesmo se configurado de forma justa, adequada e democraticamente persuasora. Não o fazem por opção ideológica, seguramente, (qual marxismo, qual liberalismo, qual esquerda, qual direita!), mas por meras razões corporativas. E porque sabem que só a democracia livre e representativa é verdadeiramente revolucionária, desde que genuína e plenamente assumida. A verdade é que quem não cumpre o dever de votar também não pode reclamar direitos correlativos, porque o voto é simultaneamente um direito político e um dever cívico. Havemos de concluir que cinismo atávico e abstencionismo sistémico são a alma do regime. Servem o sistema prevalecente mas corrompem a democracia.

A terceira dose (E os lucros das farmacêuticas)

A terceira dose da vacina contra a Covid19 é já uma realidade, pelo menos para uma parte da população portuguesa. Ainda bem. Há de chegar aos restantes. Contudo, quando tal aplicação era apenas uma hipótese, houve logo quem, a partir da extrema esquerda, viesse “denunciar” que tal hipótese, a concretizar-se, era uma oportunidade de geração de lucros avultados pela parte das farmacêuticas. Provavelmente sim. E então? As grandes obras públicas, tão do agrado de algumas correntes ideológicas, nomeadamente na construção de infraestruturas, traz, igual e naturalmente, lucros, muitas vezes significativos, para o ramo da construção civil. Ora isso não incomoda a vanguarda política da esquerda. O que é estranho. Porque, reclamando-se, tantas vezes, paladinos dos valores sociais e justos, deveriam saber bem que os níveis de corrupção e compadrio são muito maiores e mais frequentes entre os que usam mão-de-obra barata e pouco qualificada a movimentar terras e cimento do que os que, nem sempre pagos adequadamente, são altamente especializados a manipularem pipetas, placas de petri e máquinas de PCR. É sabido que a palavra lucro, apesar de seletivamente, como acabei de demonstrar, causa uma “natural” alergia em certos grupos ideológicos. O lucro é bom. E, se justificado e justo, quanto mais melhor. É nele que reside a primeira condição para o aumento salarial dos trabalhadores que essa elite jura representar, mas também para o aumento do conforto, progresso e bem-estar das populações. Alguém duvida que se não fosse a perspetiva de elevados lucros para as empresas farmacêuticas, a vacina contra a Covid19 teria surgido em tempo record? Curiosamente, foi anunciada, esta semana, a primeira vacina contra a Malária. Que é uma doença que mata MEIO- -MILHÃO de pessoas, todos os anos, a maioria crianças. É verdade que a luta contra um vírus é mais “simples” do que contra um parasita, muito mais complexo e com vários e complexos ciclos de vida. Mas também é sabido que a perspetiva de baixos lucros, por pertencer ao conjunto de doenças da pobreza, não teve nunca investimentos que se comparassem aos que foram disponibilizados para a pandemia deste século. Ironicamente, os maiores investimentos na investigação e desenvolvimento de vacinas e medicamentos de combate à Malária vieram... da Fundação criada por Bill Gates um dos alvos preferidos da ideologia do proletariado que nele vê a face do capitalismo que tem como dever maior que tudo, combater. Obviamente que a inoculação da terceira dose não pode comprometer o necessário e urgente alargamento das primeiras ao resto do mundo. Nisto, é necessário, igualmente, desfazer um equívoco. A extensão a África das vacinas não se concretiza, eficazmente, com doações de cedências. Para ser efetiva têm de ser construídas e operacionalizadas fábricas que as possam produzir, localmente. E essa é uma decisão das farmacêuticas que, obviamente, a tomarão em função da rentabilidade que possam obter. Quanto maiores forem os lucros, mais facilmente tomarão tal decisão. Venha pois a terceira dose e que dela resultem lucros ajustados, mas consideráveis, para as empresas que as fabricam e comercializam.

Otília Farruquinha deixa os seus 14 filhos cheios de saudade

Ter, 12/10/2021 - 09:28


Há cerca de quatro anos foi tema principal desta página a tia Otília Farruquinha e os seus sete casais, pois deu ao mundo 14 filhos, sete rapazes e sete raparigas. E quis o destino que tivesse uma morte tão trágica. Faleceu a 2 de outubro, aos 82 anos. Nesta edição vamos compartilhar convosco a homenagem que a sua família lhe fez. Muita da nossa família mostrou o seu pesar, dando muita força à Irene e ao Leonel, que são os filhos que mais participam no programa “Bom dia Tio João”.